Homossexualidade

Ordem abre processo a médico que considera homossexualidade uma anomalia

Ordem abre processo a médico que considera homossexualidade uma anomalia

A Ordem dos Médicos abriu um processo na sequência que uma queixa formal apresentada contra Gentil Martins. Em causa estão declarações polémicas sobre homossexualidade.

A notícia foi avançada na edição online do jornal "Expresso", citando fonte oficial da Ordem.

Recorde-se que Gentil Martins, de 87 anos declarou, em entrevista àquele semanário, que a homossexualidade é "uma anomalia": "Trato-os como a qualquer doente e estou-me nas tintas se são isto ou aquilo... Não vou tratar mal uma pessoa que é homossexual, mas não aceito promovê-la. Se me perguntam se é correto? Acho que não. É uma anomalia, é um desvio de personalidade. Como os sadomasoquistas ou as pessoas que se mutilam", afirma.

Declarou também que "Ronaldo é um excelente atleta, tem imenso mérito, mas é um estupor moral, não pode ser exemplo para ninguém. Toda a criança tem direito a ter mãe".

Entretanto, disse ao mesmo jornal: "Quanto a Ronaldo não ser exemplo, referia-me exclusivamente à escolha por barrigas de aluguer, permitidas por lei, mas das quais discordo totalmente, quer como pediatra quer como ser humano", reforçando que a sua opinião em relação ao assunto "nada tem a ver com os excecionais méritos desportivos de Ronaldo, nem com a sua generosidade para com Instituições Sociais e crianças com dificuldades."

Quanto à questão da homossexualidade, o médico reafirmou a sua opinião: "Lamento quem sofra com essa questão, que continuo a considerar anómala, sem no entanto deixar de respeitar os seres humanos que são".

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM