Operação Marquês

Sócrates acusa Costa e PS de lhe terem "virado as costas"

Sócrates acusa Costa e PS de lhe terem "virado as costas"

Em entrevista a um jornal espanhol, o ex-primeiro-ministro José Sócrates disse que tanto António Costa como o PS lhe viraram as costas quando foi detido preventivamente, em 2014.

Ao jornal espanhol "La Voz de Galicia", José Sócrates, principal arguido da Operação Marquês, afirmou estar a ser vítima de uma "conspiração política" para travar uma "possível candidatura" à presidência da República, considerando "inexistente" a sua relação com o atual primeiro-ministro.

"Éramos amigos, apesar de tudo o que foi dito. A nossa relação sempre foi boa. Nomeei-o ministro e como meu sucessor natural. Apoiei-o na candidatura à Câmara Municipal de Lisboa e depois para a secretaria-geral do partido. Tudo acabou quando me detiveram e tanto ele como a cúpula do PS me viraram as costas", afirmou.

José Sócrates chegou a comparar a sua situação de arguido à do ex-presidente brasileiro Lula da Silva, que também está envolvido num processo judicial, "embora ele tenha tido o apoio do partido".

Na entrevista, o ex-líder socialista reafirmou ser "inocente" e disse não acreditar nas alegações do Ministério Público (MP), criticando o facto de o seu processo continuar "aberto, sem acusação, durante cinquenta meses". Acusou o MP e a imprensa de manterem uma "relação corrupta" e apontou ainda o dedo ao juiz Carlos Alexandre, que diz estar a ser "totalmente parcial".

Quanto a um possível regresso à vida política, Sócrates nada avança, dizendo-se "muito desapontado" e rematando que "faltam políticos na Europa com o nível e o carisma de Mário Soares", camarada de partido e amigo pessoa.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado