Nacional

Sócrates diz estar "ao lado do PS e de António Costa"

Sócrates diz estar "ao lado do PS e de António Costa"

Ao terceiro dia, José Sócrates falou. Na sua primeira declaração desde que está em prisão domiciliária, e em exclusivo para o JN, o ex-chefe de Governo fez aquilo que alguns socialistas temiam: a 48 horas de um debate decisivo entre os líderes do PS e do PSD, entrou na campanha, garantindo que está "ao lado do PS, ao lado de António Costa, pela vitória eleitoral".

Agora, será ainda mais difícil ao secretário-geral socialista fugir ao tema. A declaração marca a reta final da pré-campanha das legislativas, quando todos os minutos contam para o PS descolar da Direita.

Intenções à parte, parece não haver dúvidas entre vários dirigentes do partido de que o melhor para Costa era Sócrates ficar em silêncio, mas os socialistas também já esperavam que, a qualquer momento, o ex-primeiro-ministro decidisse falar a partir de casa.

"Há um tempo para tudo. Neste momento, o que mais importa é que todos aqueles que se batem por uma alternativa política de mudança saibam que estou do seu lado", disse ao JN numa curta declaração.

Porém, é precisamente essa mudança que a coligação diz não existir no atual PS face ao anterior Governo socialista, procurando, de todas as formas, mostrar que Costa e Sócrates são duas faces da mesma moeda e acenar com o bicho-papão do regresso ao passado.

Nas suas declarações ao JN, o antigo líder socialista aproveitou também para agradecer "aos inúmeros amigos e cidadãos as mensagens de apoio e de solidariedade" que lhe fizeram chegar. "Em particular, agradeço aos militantes e simpatizantes do PS o apoio e o companheirismo sem falhas que sempre me dispensaram e que tanto me sensibilizaram".

Recorde-se que António Costa visitou Sócrates apenas uma vez e evitou manifestações públicas de solidariedade, ao contrário de outros dirigentes e históricos socialistas - como Mário Soares, que ontem voltou a encontrar-se com o amigo.

O atual secretário-geral recusou sempre responder a questões sobre o preso número 44 da cadeia de Évora, indiciado por crimes de fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais, que na sexta-feira passada passou para prisão domiciliária.

Plano da Justiça contra PS

No mês passado, Sócrates acusara a Justiça de ter um plano para impedir a vitória do PS. "À medida que o tempo passa, cresce a legítima suspeita de que este processo tem como verdadeira motivação condicionar as próximas eleições e impedir a vitória do PS", criticou o ex-primeiro-ministro, em carta enviada ao JN e à SIC.

Nessa altura como agora, as suas palavras suscitam múltiplos aproveitamentos políticos. No domingo passado, Marcelo Rebelo de Sousa, que poderá ser candidato às presidenciais pelo PSD, dizia que estava nas mãos de Sócrates "dificultar a vida ao PS", antecipando que a divulgação da acusação, a acontecer antes de 4 de outubro, também será determinante para o resultado das legislativas.Marques Mendes, outro comentador da área do PSD, lançou uma pergunta provocatória: "Vamos ver o que é mais forte: o ego de Sócrates ou o amor ao PS". O "maior risco", avança, reside "na possibilidade de dar entrevistas a partir de casa".

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado