São Pedro da Cova

Sócrates e Valentim vão ao Parlamento explicar resíduos em Gondomar

Sócrates e Valentim vão ao Parlamento explicar resíduos em Gondomar

Os ex-ministros do Ambiente de 2001 a 2015, incluindo José Sócrates, os antigos dirigentes regionais e autarcas como Valentim Loureiro vão ser ouvidos pela Assembleia da República.

O objetivo é apurar as responsabilidades políticas na deposição dos resíduos perigosos em São Pedro da Cova, Gondomar.

O requerimento apresentado pelo PCP para a realização de audições parlamentares foi aprovado esta terça-feira por unanimidade na Comissão Parlamentar do Ambiente. Isto ao contrário dos receios daquele partido, que temia que o PS pudesse votar contra pela inclusão nesta votação parlamentar dos ex-ministros. O PCP manteve a versão completa da proposta.

Segundo o que foi hoje aprovado, serão primeiro apuradas as responsabilidades dos responsáveis da ex-Direção Regional do Ambiente, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional e das empresas envolvidas. Depois, serão as audições parlamentares dos vários antigos ministros do Ambiente, desde logo José Sócrates, ministro à época da deposição dos resíduos.

Incluídos nomes em falta

Esta terça-feira foram também incluídos nomes que não constavam da lista, como o de Assunção Cristas e Correia Nunes. Dos antigos governantes que serão chamados ao Parlamento constam também Isaltino de Morais, Luís Nobre Guedes, Dulce Pássaro e Jorge Moreira da Silva.

Da Câmara de Gondomar, além do ex-presidente Valentim Loureiro, consta da lista o antigo vereador Jorge Costa, que emitiu a declaração da Câmara que viabilizou o depósito dos resíduos perigosos oriundos da fábrica da Siderurgia Nacional da Maia.

Presente na discussão do requerimento na comissão parlamentar esteve o presidente da Junta de Fânzeres e São Pedro da Cova, Daniel Vieira, eleito pela CDU, que aplaudiu a aprovação das audições por unanimidade.

"Valeu a pena esta luta"

Ao JN, destacou hoje ser fundamental que, para além da acusação do Ministério Público, a Assembleia assuma as suas competências no apuramento das responsabilidades políticas.

"É relevante esta aprovação por unanimidade pois é o reconhecimento de todo o trabalho que tem sido feito e da necessidade de, para além da remoção de todos os resíduos, haver um apuramento das responsabilidades judiciais e também políticas", disse o autarca ao JN. A propósito, Daniel Vieira recordou que, em 2010, "quando falava desta questão no Parlamento, era acusado de alarmista". Mas "este consenso na votação é a prova de que valeu a pena esta luta".

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM