JN

Um dia dos diabos

Publicado

 
 
Um dia dos diabos
 

Nos bancos há um centro nervoso onde tudo se decide. Chamam-lhe o Trading Room. É um mundo de ecrãs de plasma com colunas de números abstractos em páginas de Excel onde nunca se fala de milhões.

Está tudo em poucos dígitos meticulosamente metidos em rectângulos. Três casas à esquerda do ponto decimal vão das unidades às centenas. Do outro lado, há décimas, centésimas e milésimas. Abstractos os números, concretos os valores. São milhares de milhões. Por vezes são milhões de milhões.

Operadores com um clique do rato fazem ajustamentos nas variações que vão surgindo, induzidas por murmúrios digitais que chegam de Nova Iorque a Moscovo. Raramente há pânico no Trading Room. Está (quase) tudo previsto. Há paramentos hirtos e muito pouco lugar para criatividades. Um clique numa coluna eleva alguns milésimos os dígitos que, quase à velocidade da luz, aparecem fardados de centavos de Euro nas facturas de uma qualquer parcela mensal de empréstimo e quase nem se notam. Afinal, já se sabia que o spread era variável e que do spread sai tudo. Dos custos do banco aos lucros.

Normalmente as coisas acontecem com a banalidade de um monótono jogo de vídeo online. Muito, muito, gradualmente. Mas quinta-feira 14, deste mês, foi um dia dos diabos. Houve pânico. Os sinais vieram de Hong Kong a Singapura a partir das oito da manhã. Diziam que o negócio da compra e venda de dinheiro estava a correr mal. Os fornecedores habituais estavam a subir o preço da mercadoria. Muito. Mesmo para estes dias de crise. Cliques frenéticos do rato já não conseguiam equilibrar os rectângulos Excel com toques nas milésimas. Vieram supervisores mexer nas casas à esquerda dos pontos decimais. Alteraram as dezenas dos dígitos a ver se tudo ficava na mesma. Ficou num segundo. No segundo seguinte, ficou tudo desequilibrado outra vez. "As CDS estão a disparar". "124,365 tenho aqui na melhor oferta". E continuaram por aí fora saltando dezenas de pontos. De 80 na semana passada para mais de 140 hoje. E as prestações de milhares de pessoas começaram a subir. Janeiro vai ser um mês dos diabos para os rendimentos a recibo verde contados em salários mínimos onde o clique dos ratos não equilibra contas. 14 de Janeiro de 2010. Início do pânico: começaram as negociações para o Orçamento do Estado. Inconclusivas, inadequadas, insuficientes. As empresas estrangeiras, cujo negócio é avaliar riscos para o mercado que fixa com uma mão invisível as Credit Default Swaps, estiveram atentas ao que a Reuters e a CNBC foram relatando em várias línguas: em Lisboa gasta-se muito e paga-se mal. De Berlim ao Dubai há cliques nos rectângulos das linhas onde se lê "Portugal" e onde hoje há números quase iguais aos da Irlanda que amanhã serão parecidos com os da Grécia. E que dizem que este vai ser mesmo um ano dos diabos.

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Um dia no Marés Vivas em time-lapse

VER VÍDEO




Libertada artista japonesa da vagina
A artista nipónica Megumi Igarashi, conhecida pela "artista da vagina" foi libertada depois de uma semana detida por ter...

Quem vence as primárias no PS?

António Costa
António José Seguro
 

 
foto Fernando Pereira / Global Imagens

Incêndio destruiu apartamento em Baguim

Marta Neves
Um incêndio destruiu, esta segunda-feira de manhã, um apartamento em Baguim do Monte, Gondomar. O fogo queimou completamente um quarto numa altura em que não se encontrava ninguém em casa. Três famílias ficaram desalojadas.

   
 
Mais Notícias

Proprietário do navio sul-coreano "Sewol" encontrado morto

A polícia sul-coreana anunciou, esta terça-feira, ter encontrado o corpo do empresário Yoo Byung-Eun, dono do ferry "Sewol" que afundou em abril no sul do país com 476 pessoas a bordo, 300 das quais morreram.

Sporting leva 30 jogadores para estágio

Luís Mota
O treinador do Sporting, Marco Silva, convocou 30 jogadores para o estágio em Doorwerth, na Holanda. A comitiva parte amanhã, terça-feira, às 7 horas para a nova etapa da pré-temporada.

Paulo Portas diz que relação económica entre Portugal e Angola é a mais intensa

O vice-primeiro-ministro Paulo Portas afirmou esta segunda-feira, em Luanda, que Portugal mantém com Angola a mais "intensa" relação, admitindo que o mercado angolano, pela aposta das empresas portuguesas, ajudou o país a ultrapassar as dificuldades económicas.

Alta tensão: Governo proíbe plenários de professores

LEONOR PAIVA WATSON
O conflito entre o Ministério e os sindicatos sobe de tom, após o ofício do Ministério da Educação que inviabiliza os plenários nas oito escolas onde se faz esta terça-feira a prova de avaliação de docentes contratados. O dia é de alta tensão.

Mulher detida no aeroporto de Lisboa por posse de cinco quilogramas de droga

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras intercetou uma mulher suspeita de tráfico de estupefacientes, no aeroporto de Lisboa, com mais de cinco quilogramas de droga na bagagem.

Ordem dos Arquitetos diz que decisão sobre arquivo de Siza Vieira "cabe ao autor"

O presidente da Ordem dos Arquitetos, João Santa-Rita, declarou esta segunda-feira à agência Lusa que gostaria que o arquivo da obra do arquiteto Álvaro Siza Vieira ficasse em Portugal, mas essa decisão "cabe ao autor".


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

Português atual
Português atual

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Português atual



Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais


Multimédia
Blogues
Inquérito

Programas

Omar




Continente Uva d'Ouro - JN 300x100

Cofidis 300x100 21-26 julho
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 
 

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 26ºC
  • 16ºC
  • HOJE
  • 22ºC
  • 17ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled