JN

Atrás dos tempos vêm tempos

Publicado

 

A insistência da troika na necessidade de baixarmos os salários parece embirração quando Governo, Oposição e parceiros sociais são unânimes: pode ser mais ou menos, directamente ou através da descida do IRS, mas os salários devem aumentar. As razões são várias: um alívio nos sacrifícios efectuados; uma forma de dar sustentação à recuperação da procura interna que tem suportado a subida do PIB nos últimos trimestres; uma conveniência quando se aproximam umas eleições, europeias mas eleições em qualquer caso.

E sobra a perplexidade: então eles não dizem que temos estado a fazer as coisas como deve ser, isto é, como eles querem? O empenhamento do Governo não tem merecido elogios? Os indicadores não têm melhorado, as taxas de juro descido, as exportações crescido? Não se prevê que o PIB cresça no próximo ano, mais até do que se antecipava?

Em termos cifrados aquela mensagem significa que, visto de fora, nada de essencial mudou. Temos feito o que nos mandam, merecemos, por isso, umas palmadinhas nas costas que se podem transformar nuns cachações se ousarmos desviar-nos do caminho traçado. O FMI, mais descarado, já havia avisado: nada do que aconteceu é irreversível. O sucesso é precário, mais transitório do que sustentado. Mas, enquanto o FMI nos desafia a evoluir e melhorar, a troika parece descrer. Ao teimar na descida dos salários está a dizer-nos que a nossa capacidade de competir nos mercados internacionais continua a depender dos custos.

Se não podemos controlar os mercados financeiros nem os juros, ou os mercados de matérias-primas e os respectivos preços, ou os custos dos equipamentos, sugerem-nos que nos voltemos para os factores que, consideram, estão ao nosso alcance influenciar: os salários e os custos de contexto. Desesperançados com o conseguido, insistem nos primeiros.

Tudo o que nos rodeia, o que somos e o que fazemos não se muda, de um dia para o outro, por decreto ou simples voluntarismo. Mesmo quando há urgência, as estruturas resistem e evoluem, em geral, devagar. Como deve ser para que não haja o risco de o edifício desabar. O que a troika nos vem dizer não é nada que nós não devamos saber. A dúvida está em perceber se o que nos propõem permite a evolução ou, pelo contrário, cristaliza a situação actual colocando-nos, a prazo, numa posição ainda mais frágil, num círculo vicioso em que descidas de salários induzem novas descidas. A própria Comissão Europeia tem consciência desse risco quando manifesta preocupação por muitas das ocupações em que os mais jovens encontram emprego, em Portugal, requererem baixas qualificações, não abrindo margem para aprendizagem e ganhos de produtividade, limitando o potencial de desenvolvimento da nossa economia. E esse é, de facto, o problema.

Se os novos postos de trabalho, de menores salários, estivessem a ser ocupados por pessoas mais velhas e/ou com menores qualificações, seria um bom sinal. Ninguém ignora que, entre os desempregados, prevalecem as baixas qualificações, sobretudo à medida que se avança na idade. Muitos são dados como desempregados para o resto da vida, pondo pressão sobre as despesas públicas e, sobretudo, não respeitando um elemento essencial da dignidade humana: o direito ao trabalho. Encontrar-lhes ocupação, trabalho, é um desafio imenso.

Ora, o que os dados dizem é que continuamos a perder esse desafio e a criar um outro: a empurrar para ocupações desqualificadas jovens com habilitações para mais. Um recurso, à falta de alternativas. Um interlúdio até se resignarem a emigrar. Enganam-se as estatísticas: esta gente tem competências para ganhar mais. Os seus salários já são bem mais baixos do que, em teoria, poderiam ser. Mas não são! Romper este círculo vicioso, acelerar essa rotura, vai requerer um empurrão da política pública com incentivos selectivos, apontados à evolução, mas sem entrar em delírios fantasiosos que só nos fazem perder tempo. Somos o que somos e para ser o que queremos ser vai ser preciso um rumo partilhado, tempo e persistência. "Que atrás dos tempos, vêm tempos/e outros tempos hão-de vir", canta Fausto.

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

"Thrillers" de cortar o fôlego

VER VÍDEO




Estátua com seios grandes causa polémica
Os seios da estátua da mulher do ex-presidente Gheorghe Tatarescu estão a causar polémica na Roménia. O Ministério da Cultura...

O Benfica chega à final da Liga Europa?  info

Sim
Não
 

 
foto Adelino Meireles / Global Imagens

12 mil pessoas vão encher Coimbra de cor na Color Run

A organização da Color Run espera ter 12 mil participantes no evento que se realiza em Coimbra, no sábado, por volta das 16 horas, procurando com a corrida "estimular hábitos saudáveis".

   
 
Mais Notícias

Forças ucranianas "libertaram" cidade tomada por pró-russos

Forças ucranianas "libertaram", esta quarta-feira, a cidade de Sviatoguirsk, tomada por separatistas pró-russos há vários dias, anunciou o Ministério do Interior ucraniano num comunicado citado pela agência France Presse.

Profissionais das escolas devem ter formação em suporte básico de vida

A maioria dos profissionais de educação das escolas deve ter formação em suporte básico de vida, sugere o Programa Nacional de Saúde Escolar - 2014, colocado em discussão pública, esta quarta-feira.

Facebook lidera os "logins" em serviços online

O Facebook é a rede social mais usada para criar contas em serviços online, revelam dados divulgados pela empre norte-americana Gigya. O segundo lugar pertence ao Google+.

Passos afirma que Governo poupou "muitos submarinos" aos portugueses

O primeiro-ministro afirmou, esta quarta-feira, que o Governo poupou aos portugueses o equivalente a "muitos submarinos" com a redução de despesa pública através do cancelamento de contratos e conseguiu uma "evolução significativa" dos consumos intermédios.

Défice até março fica abaixo da meta trimestral do resgate

O défice das administrações públicas foi de 825 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, de acordo com o Governo, o que significa que foi cumprido o limite trimestral para o défice orçamental definido no programa de resgate.

Jogo do título custa ao Benfica 16 mil euros em multas

O Benfica vai ter que pagar cerca de 16 mil euros em multas na sequência do jogo frente ao Olhanense, no qual se sagrou campeão nacional, revelou o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol.


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

40 anos do 25 de Abril
40 anos do 25 de Abril

/Dossies/dossie.aspx?dossier=40 anos da revolução de abril


Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais

Roller Derby: Guerreiras sobre patins

Roller Derby: Guerreiras sobre patins

Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente UVA D'OURO 2014
Empreendedorismo
Amazing Romance in Thailand - JN Destaque (Participação)
fbem gif

banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 
 


Liga Zon Sagres
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Benfica (73)
2 - Sporting (66)
3 - FC Porto (58)
4 - Estoril (50)
5 - Nacional (44)
6 - Marítimo (37)
7 - Sp. Braga (36)
8 - V. Setúbal (35)
9 - Académica (33)
10 - V. Guimarães (31)
11 - Rio Ave (31)
12 - Arouca (28)
13 - Gil Vicente (28)
14 - Belenenses (24)
15 - P. Ferreira (23)
16 - Olhanense (21)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 16ºC
  • 9ºC
  • HOJE
  • 14ºC
  • 8ºC
  • AMANHÃ

 

Media Lab
destaque conselhoeditorial


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled