Há solução: redistribuir a riqueza
12.07.2014
Manuel Tavares

O BES viveu no centro de um vulcão bolsista que a dimensão de Portugal e do seu mercado bancário não justificariam em tempos de normalidade. Mas é de dias incertos que vivemos, nós, a Europa e, feitas as contas, todo o mundo capitalista. Eis o que, em boa medida, explica que um problema com um banco português fosse suscetível de ser considerado tão contagioso e logo para tantos mercados bolsistas. Outra parte da explicação residirá na ainda fresca libertação do jugo da troika, conseguida há apenas cerca de um mês.

Como parece ter ficado claro na garantia dada pelo governador do Banco de Portugal, podem os depositantes do BES dormir descansados. E isso bastou para que o banco, os outros bancos e a Bolsa reagissem positivamente e a exagerada sensação de contágio deixasse de vaguear pelas praças europeias.

Mas não há que iludir: o vulcão existiu mesmo.

Em primeiro lugar, existiu porque para os mercados tardou o aclaramento de que o problema do Grupo Espírito Santo não era de molde a afetar a solvabilidade do banco, incluindo o detalhe não despiciendo de uma almofada de dois mil milhões de euros constituída como garantia.

Em segundo lugar, existiu porque para os mercados ainda não estava claro que o setor bancário português tivesse feito (e bem) todo o trabalho de casa na conclusão do programa de assistência financeira patrocinado pela troika.

Aclaradas ambas as questões e encontradas as razões da erupção vulcânica, podem, pois, os aforradores com depósitos no BES ter um fim de semana mais descansado. Exceto os crentes na prevalência da justiça social e da igualdade de oportunidades como modo de vida a atingir.

Em boa verdade, os últimos números conhecidos sobre a repartição da riqueza renegam essas duas ideias básicas do mundo civilizado e, mais ainda, dos regimes democráticos de que a Europa foi pioneira e vanguarda.

Desses grandes números, devemos reter, desde logo, o que mais dará que pensar e... trabalhar: metade da riqueza produzida está nas mãos de apenas um por cento da população mundial!

Mas há mais, muito mais: metade da população considerada em estado de pobreza, cerca de quatro mil milhões de almas, detém a mesma riqueza que as 85 pessoas mais ricas. E só na Europa, os 10 mais ricos somam 217 mil milhões, ou seja, 1,3 por cento da riqueza mundial.

Por fim, comparando o incomparável: a população que sobrevive com menos de 10 dólares representa 69 por cento da população mundial e três por cento da riqueza total produzida, enquanto 0,7 por cento da população vive com mais de um milhão de dólares e detém 41 por cento da riqueza produzida no Mundo.

ver todos os artigos do autor
 



foto Paulo Novais/Lusa

Pneus "carecas" são ponto de encontro

 
A partir de pneus "carecas", a Casa da Esquina criou vários sofás que servem como pontos de encontro na cidade de Coimbra de forma a motivar os cidadãos a utilizarem o espaço público, ao estilo das ágoras da Grécia Antiga.
 
 
Cartoon Elias o sem abrigo de R. Reimão e Aníbal F. 19-04-2015


Inquérito

Vai passar a usar combustível "lowcost"?

Sim
Não

Dossiês

A detenção de Sócrates
A detenção de Sócrates
O caso BES
O caso BES
Português atual
Português atual

Continente Uva d'Ouro 2015 - JN 300x100
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - JN Destaque
PEPE Fazemos Bem - JN Destaque300x100
BT Edições Multimédia
 
1ª Liga
1|Benfica74
2|FC Porto71
3|Sporting63
4|Sp. Braga53
5|V. Guimarães46
6|Belenenses42
7|P. Ferreira39
8|Rio Ave38
9|Nacional36
10|Moreirense36
11|Marítimo35
12|Estoril34
13|Boavista29
14|Académica27
15|Arouca26
16|V. Setúbal25
17|Gil Vicente20
18|Penafiel18

Serviços


16º
HOJE, 19 de Abril

Amanhã18º |10º
Terça18º |11º
Quarta17º |
Quinta17º |12º

 



Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled