JN

Natalidade

Publicado

 

Confesso-me baralhado. As estatísticas dizem-me, desde o tempo em que ainda havia pleno emprego, que a natalidade em Portugal está num processo de descida contínua. Talvez por tanto ouvirmos gabar a nossa capacidade de reduzir a mortalidade à nascença, decidimos que não era preciso fazer tantos filhos. Se assim o pensámos, melhor o fizemos: superámo-nos, conseguindo o título no campeonato da taxa de natalidade mais baixa. Nem mais nem menos: a menor da Europa. Já que não pôde ser no futebol...

Embora, pensando bem, se fazemos cada vez menos filhos vai haver cada vez menos base para termos uma selecção condigna: ora aí está uma motivação que escapou à comissão que fez o relatório sobre a natalidade! Sem um aumento da taxa de natalidade, nunca mais teremos uma selecção campeã (os clubes, esses, já o perceberam há muito - no Porto, entre sul-americanos e espanhóis, o mais próximo que há de português é um sujeito que nasceu na Andaluzia). Não admira, por isso, que o capitão da selecção de Sub-19 tenha o apelido portuguesíssimo de Podstawski! Os imigrantes a fazer o que os portugueses não querem. O habitual.

Dizia eu que estava baralhado: olhava para as estatísticas e a natalidade sempre a descer. Isso era o que as estatísticas me diziam! As estatísticas. Porque, olhando à volta, tinha razões para duvidar. Não que se vejam muitas barrigas grandes (ou melhor, vêem-se mas não são "dessas"). Basta, porém, ir a um qualquer centro comercial para perceber que as coisas devem estar a mudar: todo e qualquer lugar de estacionamento, reservado a grávidas ou pais de crianças pequenas, estão sempre ocupados! Seguindo os critérios jornalísticos, se isto não é prova de que as estatísticas estão erradas, então são provas de quê? Bem sei que, no outro dia, de um dos carros que estacionou nesse espaço, saíram dois barbudos mas, depois da Conchita ganhar a Eurovisão, do casamento gay e da inseminação artificial não me custa a crer que um deles estivesse grávido.

Quando partilhei com um colega estas convicções, tive um choque. Que não! Economista encartado, explicou-me que os lugares estarem ocupados era uma prova de maturidade democrática e do crescente grau de informação da população. Sensíveis ao apelo do Governo para a melhor utilização dos recursos, e sabedores da queda da natalidade, os portugueses perceberam que aqueles lugares iriam ficar vagos, obrigando-os a consumir mais alguma gasolina, solas de sapatos e tempo sem qualquer necessidade: estacionar mais perto das portas é uma missão patriótica! Fez-se-me luz. Será, decerto, também por razões patrióticas que os donos de cães usam todo e qualquer relvado como latrina para os seus bichos. Na verdade, que sentido faz um espaço verde não utilizado? Dar-lhe uso é um imperativo pátrio. Se não há crianças, por que não os cães? E, na verdade, haveria alguma razão para lhes ser dada prioridade? Isso de ter crianças é uma moda em desuso: não só fica caro, muito mais caro do que ter um cão, como prejudica a produtividade - deixa-se de trabalhar durante uns meses, dorme-se mal, produz-se menos. Tudo o que não queremos. Arrasado com a argumentação do meu colega, exclamei: a prova da nossa maturidade democrática seria termos um partido dos animais! Já temos, disse-me! Fiquei inchado de orgulho: vê-se bem que foi este povo que deu novos mundos ao Mundo.

Estava eu nestas cogitações quando me surge a notícia que uma comissão, instituída pelo PSD para estudar o fomento da natalidade, havia produzido um relatório pleno de propostas. O seu presidente, um tal Joaquim Azevedo, teve o descaramento de sugerir que aquilo era um plano integrado, que o combate à redução da natalidade exigia uma estratégia e não apenas "tiro à peça". O PSD ainda alberga gente desta? Uma desilusão! Que desmancha-prazeres! Mas não ficou sem resposta. Passos Coelho logo lhe disse que era preciso fazer contas. É um homem de fibra, daqueles que quando assaltados e intimados a escolher entre a carteira ou a vida sempre responde: o dinheiro faz-nos tanta falta! Que noção clara das prioridades! Ditosa a pátria que um tal primeiro-ministro tem.

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Invasão e mágoa em dia de prova de professores

VER VÍDEO




A deputada queixava-se das difamações e desrespeito
Erros ortográficos de deputada do PS geram polémica
Catarina Marcelino, deputada do Partido Socialista, escreveu um texto na página do Facebook com três erros ortográficos...

Quem vence as primárias no PS?

António Costa
António José Seguro
 

 
foto Olga Costa / JN

Perdeu controlo do carro e embateu em camião

Um ferido grave foi o resultado de um violento despiste, esta quarta-feira, cerca das 12.30 horas, na A11, perto da saída para Barqueiros, em Barcelos, no sentido Braga-Esposende.

   
 
Mais Notícias

Rodrigo emprestado ao Valência elogia Rio Ave de Espírito Santo

Luís Antunes
Rodrigo Moreno foi apresentado em Valência, esta quarta-feira, e defendeu que o Rio Ave, então liderado por Nuno Espírito Santo, atual técnico dos espanhóis, foi sempre melhor que o Benfica nas finais da época passada.

Reino Unido e França divididos sobres sanções a aplicar à Rússia

O Reino Unido e a França acusaram-se mutuamente de hipocrisia a propósito das sanções a aplicar à Federação Russa, o que revela divisões profundas entre os europeus sobre a resposta a dar depois da queda do avião malaio.

Diretor-geral admite faltarem 700 guardas nas cadeias

O diretor-geral dos Serviços Prisionais disse, esta quarta-feira, que faltam 700 guardas nas cadeias, mas que a situação só será resolvida quando o Ministério das Finanças autorizar a abertura de concursos para novas contratações.

Vitor Bento renunciou ao cargo de vogal da administração da Galp

O economista Vitor Bento renunciou ao cargo de Vogal do Conselho de Administração da Galp Energia porque assumiu a função de presidente executivo do BES, foi, esta quarta-feira, divulgado pela empresa petrolífera.

Notas do teste de inglês do 9.º ano não foram divulgadas para todos os alunos

Os resultados do exame de inglês do 9.º ano são ainda desconhecidos para alguns alunos cujas notas não foram afixadas nas pautas da turma, situação confirmada pelo IAVE que, em resposta às escolas, atribui responsabilidades ao Cambridge Institute.

Letizia tira "selfie" com jovens à saída do cinema

Irina Fernandes
Duas jovens quiseram tirar um autorretrato com a rainha de Espanha depois de a terem visto, juntamente com o marido, o rei Felipe VI, à saída de um cinema em Madrid. A fotografia tornou-se viral nas redes sociais.


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

Português atual
Português atual

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Português atual



Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais


Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente Uva d'Ouro - JN 300x100

Cofidis 300x100 21-26 julho
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 
 

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 23ºC
  • 16ºC
  • HOJE
  • 26ºC
  • 17ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled