JN
Diretor Interino
Alfredo Leite

A viver vamos

Publicado

 

Às vezes gostaria de avançar no tempo. Todas estas indefinições e mistérios saturam. Algum dia se perceberá o que realmente aconteceu no BES? Até onde irão as revelações que Ricardo Salgado fatalmente terá de fazer? E na PT? Os actores envolvidos continuarão a representar os seus papéis ou regressarão à sua condição de cidadãos comuns e falarão fora do guião? Como será interessante a vida do historiador económico daqui a uns anos! Ou talvez não. Talvez nunca nada se venha a saber ao certo, deixando ao "diz que disse" a construção de narrativas diversas, tantas quantas as partes e interesses envolvidos. O caso BPN parece paradigmático. Dir-se-ia que se arrasta o suficiente, e conveniente, para que Oliveira e Costa, visto por muitos como o único figurante que poderia vir a desafinar, sucumba à doença que o parece minar. Oxalá que não, mas que parece, parece!

Tratando de acontecimentos ainda mais perto de nós, será que algum dia se virá a saber o que aconteceu na última reunião do Banco Central Europeu (BCE). É certo que o seu presidente, Mario Draghi, tinha vindo a reforçar os sinais de inconformismo, patente no seu discurso em Jackson Hole. O "hole" (buraco) tê-lo-á inspirado. Draghi centrou a intervenção no combate ao desemprego que, conquanto ambígua, abriu portas a que se visse nela o sinal de uma nova postura do BCE.

A ambivalência não tardou a ficar patente com o ministro das Finanças alemão a dizer que ele havia sido mal interpretado, propondo-se, como acontece a quem se habituou a manipular marionetas, dar a sua versão autêntica do que ele teria querido dizer. Nesse sentido, a reunião do Conselho Geral do BCE da semana passada deve ter sido um choque para os alemães: tanto quanto foi possível apurar pela Imprensa internacional, houve uma espécie de revolta da trupe em que a Itália terá liderado a "amotinação", secundada por outros países, entre os quais Portugal. Fora do que estava previsto, venceu a perspectiva mais intervencionista. Novidade, ainda, o facto de Draghi ter permitido (resignado?) a que as decisões fossem tomadas por maioria o que, em si, evidencia uma determinação (feita de saturação?) de alguns países que, até agora, não se vira. Draghi emerge como o protagonista. Quem sabe de história sabe que estes episódios nunca são obra de um só. Não obstante a aparente bondade da decisão, sobram perguntas. No imediato: ainda se irá a tempo ou qual o impacto que tudo isto terá numa economia como a portuguesa? Dir-se-ia que sempre é melhor do que nada e que não sendo o efeito directo muito significativo, as medidas valem pelo impacto na envolvente europeia ainda, e sempre, os nossos parceiros económicos fundamentais. Vale, também, pela expectativa que se cria de que a história se repita: após uma decisão deste género, em 2009 (5 anos de atraso!), a Reserva Federal avançou, poucos meses depois, com a compra em grande escala de dívida pública.

Mas há perguntas mais de fundo: será possível continuar a acomodar, no actual quadro institucional, perspectivas tão distintas sobre o papel das políticas orçamental, monetária e do banco central sem uma evolução para um modelo federativo, com os seus custos e benefícios? Não sendo este desenvolvimento antecipável, nem pretendido pela maioria dos cidadãos europeus, será a situação actual sustentável, ou seja, não estará o projecto "euro" politicamente condenado? É que se assim for, não somos nós que saímos do euro, é o euro que sai de nós! Não tenho nem saber, nem informação suficiente, para ir para além das perguntas. Tenho, contudo, a intuição que as decisões do BCE da semana passada serão marcantes na clarificação do (avanço do?) projecto europeu e do envolvimento dos diferentes países nele. Como não podemos dar um salto ao futuro, a (vi)ver vamos.

Não esqueçamos, por fim, que Draghi lançou o repto aos governos de pensarem uma política orçamental mais expansionista. Mais do que as hipotéticas, e convenientes, descidas de impostos, o desafio da ministra das Finanças para que se estudem e debatam os caminhos da dívida parecem indiciar que alguém o escutou. A viver vamos.

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Criadores portugueses na passarela de Viena

VER VÍDEO




Japão cria sensor que deteta álcool ou drogas no sangue do condutor
Investigadores japoneses desenvolveram uma tecnologia que pode ser colocada no assento de um automóvel e detetar se o condutor...

Quem deveria ser selecionador nacional?

Fernando Santos
Jesualdo Ferreira
José Peseiro
outro
 

 
foto Algarvephotopress / Global Imagens

Localizada avioneta que se despenhou ao largo de Sagres

As autoridades localizaram este domingo os destroços da aeronave que se despenhou na sexta-feira ao largo de Sagres, no Algarve, tendo o seu posicionamento sido já confirmado por mergulhadores, disse fonte da Marinha.

   
 
Mais Notícias

Avião da Viva Colombia faz aterragem de emergência

Um avião da companhia colombiana Viva Colombia foi obrigado a efetuar uma aterragem de emergência na cidade de Pereira, oeste do país, no domingo, pouco depois da descolagem com 147 passageiros a bordo.

Madeira sob aviso laranja e amarelo

A costa sul e as regiões montanhosas da Madeira estão, esta segunda-feira, sob aviso laranja e amarelo devido à previsão de chuva, vento forte e agitação marítima, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

PSP detém casal e apreende droga em discoteca de Lisboa

A PSP deteve, este domingo, um casal suspeito de tráfico de droga e apreendeu cerca de 200 doses de estupefacientes, numa discoteca, em Lisboa, informou o Comando Metropolitano da polícia da capital.

Angola vai gerir domínio nacional de Internet a partir de 2015

A gestão do domínio '.ao', relativo a páginas de Internet, vai passar de Portugal para Angola em 2015, de acordo com a legislação aprovada nos últimos dias pelo Governo angolano.

Meia-maratona, alegria inteira

DORA MOTA
O filme "O amor acontece" começa com as chegadas do aeroporto de Heathrow, dizendo que é um dos lugares mais cheios de felicidade do mundo. A meta de uma corrida é um lugar parecido, com abraços, reencontros, gritos de alegria, olhos brilhantes e toda uma aura de superação e conquista.

Perfil: Stock da Cunha tem 25 anos de experiência na banca

Eduardo Stock da Cunha foi escolhido pelo Banco de Portugal e pelo Governo para assumir as rédeas do Novo Banco, depois de a equipa de Vítor Bento ter pedido a renúncia dos cargos que ocupava na entidade financeira.


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

Português atual
Português atual

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Português atual



Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais


Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente Uva d'Ouro - JN 300x100
BT Edições Multimédia

Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 

Futebol

Vídeos da Liga
Liga Zon Sagres
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Rio Ave (10)
2 - V. Guimarães (10)
3 - Benfica (10)
4 - FC Porto (10)
5 - Marítimo (9)
6 - Sp. Braga (7)
7 - Belenenses (7)
8 - Sporting (6)
9 - Moreirense (5)
10 - Arouca (4)
11 - P. Ferreira (4)
12 - Estoril (4)
13 - V. Setúbal (4)
14 - Nacional (3)
15 - Boavista (3)
16 - Académica (2)
17 - Gil Vicente (1)
18 - Penafiel (0)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 24ºC
  • 19ºC
  • HOJE
  • 24ºC
  • 18ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled