A migração do trabalho

 | 14/06/2005
 

Aglobalização acelerou radicalmente os movimentos de capitais, mercadorias e pessoas. Mas provocou também um conjunto de tendências e contratendências que se encontrarão para produzir novos modelos de mobilidade internacional.

Desde o século XIX que a emigração serviu para que as pessoas procurassem as oportunidades onde elas estavam. E fizeram-no, se necessário atravessando o Mundo, como nas migrações transoceânicas.

A industrialização atingiu um ponto em que o investimento ganhou mais mobilidade do que as pessoas. E começámos a assistir, em certas condições, à chamada nova divisão internacional do trabalho, na qual certo tipo de produção industrial procurou as pessoas onde elas estavam, nomeadamente quando os custos de produção se tornavam, pela compressão salarial, inferiores aos custos de transportes de mercadorias. Assim floresceu, por exemplo, no início dos anos 60 do século XX, a indústria portuguesa de confecções, destinada aos mercados do Norte da Europa. E assim chegaram até nós actividades industriais intensas em força de trabalho, como a dos componentes automóveis.

A era das comunicações electrónicas está a favorecer novos tipos de movimento migratório, a que chamaria a migração dos postos de trabalho, em detrimento das migrações de trabalhadores. É o que se passa com o chamado "offshoring", que está a ser posto em marcha com particular intensidade nos sectores financeiros e das telecomunicações.

Neste processo, em vez de as pessoas migrarem para onde estão as fábricas, são produzidos os negócios ou consumidos os serviços, certas áreas de negócio deslocam-se, quase sub-repticiamente, para onde há força de trabalho disponível. Quando alguém pede uma informação sobre um número telefónico, em Lisboa, pode - e provavelmente não o sabe - ser atendida em Cabo Verde. Os clientes de uma agência de Manchester de um banco "inglês" podem obter conselho, sobre uma decisão de crédito hipotecário ou uma aplicação financeira, on-line, junto de um trabalhador que nunca saiu da Índia ou do Paquistão.

Em termos sociopolíticos, este processo fixa os trabalhadores ao seu solo pátrio, dá novas oportunidades aos seus países e contém a pressão da diversidade cultural e de acesso aos países para onde migrariam pessoas, até há pouco tempo, em busca desses postos de trabalho. É bastante funcional para o Mundo pós-11 de Setembro. Ergue novas barreiras às pessoas, mantendo um espaço desobstruído de circulação do capital.

Ler Artigo Completo
 
 
Comentar
Caracteres Disponíveis: 750
Enviar Comentário
Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.











Continente Uva d'Ouro 2015 - JN 300x100
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - JN Destaque
PEPE Fazemos Bem - JN Destaque300x100
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - JN Destaque
BT Edições Multimédia
 
1ª Liga
1|Benfica85
2|FC Porto82
3|Sporting76
4|Sp. Braga58
5|V. Guimarães55
6|Belenenses48
7|Nacional47
8|P. Ferreira47
9|Marítimo44
10|Rio Ave43
11|Moreirense43
12|Estoril40
13|Boavista34
14|Académica29
15|V. Setúbal29
16|Arouca28
17|Gil Vicente23
18|Penafiel22

Serviços


24º 16º
HOJE, 25 de Maio

Amanhã25º |17º
Quarta24º |17º
Quinta24º |14º
Sexta22º |13º

 




Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled