Código da Estrada traz novas regras para ciclistas

 | 29/01/2013
A revisão do Código da Estrada vai introduzir novas regras para a circulação de velocípedes. As associações de ciclistas esperam que, finalmente, a bicicleta deixe de ser considerada uma carroça na estrada.
 
Código da Estrada traz novas regras para ciclistas
foto José Mota / Global Imagens

Segundo o artigo 32, " o condutor de um velocípede, de um veículo de tração animal ou de animais deve ceder a passagem aos veículos a motor". Um princípio desatualizado para as associações que representam os ciclistas. "Perde prioridade para todos, é tratada como um carro de mão", alerta José Manuel Caetano, presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta.

O pormenor torna-se relevante em caso de acidente, tal como a questão da condução em fila estipulada por lei, outra da reivindicações, propondo a federação a condução lado a lado; ou a indicação de seguir o mais direita possível.

"É mais do que o momento para lançar as mudanças na lei", declara Ana Pereira, presidente da Associação Mobilidade Urbana em Bicicleta. Estamos a assistir "a uma discriminação da bicicleta" numa altura "em que mais do que duplicou a sua utilização, graças à conjugação de dois fatores: moda e baixo custo". A Ana Pereira, instrutora de condução de bicicleta, em Lisboa, profissão improvável há uns anos, não faltam alunos, parte deles adultos que foram recuperar as bicicletas guardadas nas arrumações e garagens.

O Ministério da Administração Interna garante ao JN a inclusão de novas regras para as bicicletas na revisão do CE, prometida para breve. "O aumento do uso dos modos suaves de mobilidade traz novos desafios à estratégia de segurança que têm de ser, e são, logicamente contemplados". Quais são, não adianta. Os ciclistas confiam na evolução das normas, mas receiam que "venham daí medidas castradoras ao uso da bicicleta". A obrigatoriedade de seguro e capacete não são prioridade, por exemplo. Preferem deixar a decisão à mercê do utilizador. "Na Austrália, onde se experimentou regras restritivas, recuou-se em 40% o uso da bicicleta e não queremos esse retrocesso", diz José Manuel Caetano.

Ana Pereira espera ver nas novas normas inspiração para o salutar convívio entre automobilistas e ciclistas. No facebook, circula a comparação de declarações de Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Clube de Portugal, e o do congénere britânico. Ao contrário deste, defensor de uma maior consciencialização dos condutores face aos ciclistas, Barbosa põe a tónica no desrespeito dos ciclistas.

Manuel João Ramos, da Associação de Cidadãos Auto-mobilizados, preferia uma resolução do problema pela raiz: diminuir a velocidade permitida dentro das cidades a 30 quilómetros/hora, à semelhança do que acontece nos meios urbanos por essa Europa fora. Os ciclistas confiariam nos automobilistas e deixariam os passeios.

 
 
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora
subscrever

 
 
Mais Nacional
02.09.15
Metade de um grupo de mil portugueses tem excesso de peso ou obesidade, mas somente um em cada 10 tem consciência de ser obeso, salienta Ana Macedo...
02.09.15
O jornalista Pedro Camacho foi o escolhido pelo Conselho de Administração da Lusa para diretor de informação da agência de notícias, devendo assumir...
 



Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled