Margens do rio Alva cheias de lixo  

 | 14/07/2008
As margens do Rio Alva são cada vez mais lixeiras. Os ambientalistas da ALERTA comprovaram-no este fim de semana. Carrinhas de resíduos, desde material de construção civil a cadeiras, foram retirados em Oliveira do Hospital e Arganil.
 
TAGS

    Carrinhas cheias de lixo e a identificação de "lixeiras ilegais" pelo caminho. Este foi o resultado da acção de limpeza do Rio Alva realizada, este fim-de-semana, pela associação ambientalista ALERTA em algumas zonas dos concelhos de Oliveira do Hospital e Arganil. Estiveram envolvidas 45 pessoas que percorreram margens e valetas a pé, com recurso a canoas.

    O percurso entre Barril do Alva e Coja, no concelho de Arganil, foi o primeiro a beneficiar da limpeza. Ontem, a acção incidiu entre São Gião e Caldas de São Paulo. "Há realmente muito lixo. Ontem (sábado) ficámos com esta carrinha completamente cheia", contou Arlette Graven, responsável da ALERTA, referindo-se à limpeza realizada no concelho de Arganil, onde foram recolhidos bidões, cadeiras plásticas e outros resíduos com a prevalência de recipientes plásticos.

    Ontem, os intervenientes na acção operaram junto à praia fluvial de São Gião. Os sacos de recolha de lixo iam-se amontoando nas canoas e, à beira da estrada, a carrinha ia ficando sem espaço para tanto lixo.

    Garrafas de água, pacotes de cigarros e sacos plásticos foram os resíduos mais encontrados pelos defensores do ambiente que, pelo percurso, foram detectando a existência de "lixeiras ilegais" às quais não conseguiram fazer face por falta de meios. "Já as identificámos e vamos informar as câmaras de Oliveira do Hospital e Arganil", referiu Arlette, enquanto se deparava com um amontoado de lixo a que não podia aceder por se encontrar numa ladeira com declive acentuado.

    Os voluntários chegaram a encontrar sacos plásticos com corpos de animais mortos já em avançado estado de decomposição.

    De luvas nas mãos, os defensores do ambiente da Beira Serra não hesitavam em recolher o mais possível, com destaque para resíduos de obras de construção civil. "Vamos continuar com esta acção de limpeza até que o lixo desapareça e as pessoas tomem consciência do drama que é poluir a natureza", asseverou a responsável pela associação, que tem já em vista uma acção de sensibilização contra o uso de sacos plásticos nas superfícies comerciais.

     
     
    Comentar
    Caracteres Disponíveis: 750
    Enviar Comentário
    Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
    Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

    Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
    Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
    Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

     
     
    Tem alguma informação para corrigir ou para acrescentar a este conteúdo?
    Escreva-nos
     
    NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - JN Destaque
    Continente Uva d'Ouro 2015 - JN 300x100
    PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - JN Destaque
     
    1ª Liga
    1|Benfica65
    2|FC Porto62
    3|Sporting56
    4|Sp. Braga47
    5|V. Guimarães40
    6|P. Ferreira37
    7|Rio Ave36
    8|Belenenses36
    9|Nacional33
    10|Moreirense32
    11|Marítimo31
    12|Estoril28
    13|Boavista28
    14|Académica26
    15|V. Setúbal24
    16|Arouca23
    17|Gil Vicente19
    18|Penafiel17

    Serviços


    18º
    HOJE, 31 de Março

    Amanhã22º |13º
    Quinta22º |12º
    Sexta21º |12º
    Sábado19º |11º

     



    Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
    Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled