JN
Diretor Interino
Alfredo Leite

 
 
 
FERRAMENTAS
ESTATÍSTICAS
Patrocínio

Primeiro tanatório municipal abre dia 20

É o segundo crematório no Norte. Serviço grátis até Dezembro

Publicado

INÊS SCHRECK, ADELINO MEIRELES
 

O novo tanatório de Matosinhos, o único municipal no país, entra em funcionamento no dia 20. Custou 3,25 milhões de euros e tem o segundo forno crematório da Região Norte. As cremações são gratuitas até ao final do ano.

A ideia é "induzir à cremação", uma prática cada vez mais aceite, que resolve o problema da sobrelotação dos cemitérios. Até agora, o crematório do Prado do Repouso, no Porto, é o único a dar resposta a milhares de pedidos na região. De Janeiro a Junho, foram ali cremados 600 cadáveres e 261 ossadas.

Mas o tanatório de Matosinhos, junto ao cemitério de Sendim, é mais do que um crematório. É um complexo funerário que acolhe um conjunto de serviços inédito na região. O edifício distribui-se por três blocos ligados por uma nave central. No primeiro, ficam uma cafetaria e uma florista, que vão ser concessionados a privados, e os serviços administrativos. No segundo bloco, há três capelas de velório, apoiadas por uma sala de tanatopraxia (tratamento e preparação dos cadáveres).

No terceiro bloco, fica a sala de despedidas, com capacidade para 120 pessoas, e aberta a todos os cultos. Uma galeria superior permite ter um coro durante a cerimónia. Toda a sala é virada para uma janela com vistas desafogadas sobre o horizonte. A arquitecta Luísa Valente, também responsável pela remodelação do antigo cemitério de S. Mamede de Infesta, aproveitou o enquadramento e decidiu colocar a urna em frente à janela, sobre um dispositivo automático que a faz deslizar suavemente, para dentro da parede, em "direcção ao infinito".

"Tivemos sempre a preocupação de criar um ambiente mais leve, que suavize a despedida do ente querido", referiu Guilherme Pinto, presidente da Câmara de Matosinhos.

Longe da vista, a urna desce ao piso técnico para o crematório, com capacidade para oito cremações diárias. As cinzas são entregues à família, que pode lançá-las na terra ou guardar num cendrário (que se compra), no exterior, no jardim japonês.

Ler Artigo Completo (Pág.1/2) Página seguinte
 
 

Comentários
Reacções no Twitter
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados Pessoais

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




 
 
Tem alguma informação para corrigir ou para acrescentar a este conteúdo?
Escreva-nos
 
Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente Uva d'Ouro - JN 300x100
BT Edições Multimédia

Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 

Futebol

Vídeos da Liga
Liga Zon Sagres
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Rio Ave (6)
2 - V. Guimarães (6)
3 - Belenenses (6)
4 - Benfica (6)
5 - FC Porto (6)
6 - Sp. Braga (4)
7 - Sporting (4)
8 - Moreirense (4)
9 - V. Setúbal (3)
10 - Marítimo (3)
11 - Académica (1)
12 - Arouca (1)
13 - Estoril (1)
14 - Nacional (0)
15 - P. Ferreira (0)
16 - Gil Vicente (0)
17 - Boavista (0)
18 - Penafiel (0)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 22ºC
  • 14ºC
  • HOJE
  • 24ºC
  • 16ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled