País > Porto > Porto
 
 

"O meu pai dizia que o mar tem duas caras"

 | 03/01/2011
O meu pai dizia-me para eu nunca virar as costas ao mar, que o mar é traiçoeiro". Pedro Silvério perdeu o pai, Manuel Silvério, em Fevereiro passado quando uma tragédia se abateu ao largo da praia da Areia Branca, perto de Peniche e a escassos quilómetros de Ribamar, a povoação de onde eram oriundos os quatro pescadores que perderam a vida no naufrágio do barco "Fábio e João".
 
TAGS

    Manuel Silvério, Basílio Fonseca, Amândio Pinto e José Martinho eram pescadores experientes, sabiam nadar, e diz-se que o mar até estava navegável nesse dia em que saíram para pescar robalo. Mas até hoje, ninguém sabe o que afundou aquele barco moderno, em fibra de vidro, quase dez metros de comprimento.

    "Só quem lá estava é que saberia mas infelizmente já cá não está para contar a história", lamenta o filho de Manuel Silvério. " De um momento para o outro pode ter vindo uma onda maior que ninguém estava à espera e o barco estar mal posicionado", prossegue.

    "Às vezes colam-se as nuvens à água e o mar eleva-se. Isso é que apanha as pessoas e os barcos de surpresa. O mar lá pegou naquilo e virou. Foi um pandemónio", aponta, por seu turno, Herófilo Rato, de 62 anos, o cunhado de José Martinho. 

    A pequena povoação de Ribamar tem uma forte tradição piscatória e são vários os naufrágios ali sofridos nas últimas décadas. "Praticamente todas as casas daqui têm um pescador", assegura Herófilo Rato, também ele com mais de 40 anos dedicados ao mar.

    O jovem Pedro Silvério confirma essa visão mas lembra que o seu pai não queria que ele seguisse esses passos.  "Ele não queria que eu fosse pescador, dizia que era o maior desgosto que lhe podia dar".

    Pedro fez-lhe a vontade mas como o mar lhe corria nas veias alistou-se na Marinha, o que o pai aceitou de bom grado. "É completamente diferente estar num navio com 100 metros do que estar num barco com 10", aponta, confessando, todavia, que a morte do seu pai o levou a mudar a sua relação com o mar. "Ganhei-lhe mais respeito", diz. "O meu pai dizia-me que o mar tem duas caras e que era bom que eu só visse só a cara boa".

     
     
    Comentar
    Caracteres Disponíveis: 750
    Enviar Comentário
    Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
    Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

    Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
    Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
    Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

     
     
    Tem alguma informação para corrigir ou para acrescentar a este conteúdo?
    Escreva-nos
     
    Conferência 3º Aniv DV - JN Destaque Évora (Mar2015)
    NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - JN Destaque
    Continente Uva d'Ouro 2015 - JN 300x100
    PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - JN Destaque
     
    1ª Liga
    1|Benfica65
    2|FC Porto62
    3|Sporting56
    4|Sp. Braga47
    5|V. Guimarães40
    6|P. Ferreira37
    7|Rio Ave36
    8|Belenenses36
    9|Nacional33
    10|Moreirense32
    11|Marítimo31
    12|Estoril28
    13|Boavista28
    14|Académica26
    15|V. Setúbal24
    16|Arouca23
    17|Gil Vicente19
    18|Penafiel17

    Serviços


    15º
    HOJE, 28 de Março

    Amanhã16º |
    Segunda16º |
    Terça18º |
    Quarta21º |12º

     



    Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
    Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled