Política

Miguel Relvas de "consciência tranquila" quanto à licenciatura

Miguel Relvas de "consciência tranquila" quanto à licenciatura

O ministro Miguel Relvas afirmou, este sábado, que quer que tudo seja apurado quanto às licenciaturas atribuídas pela Universidade Lusófona, porque está de consciência tranquila e construiu toda a sua vida independentemente de títulos académicos.

Questionado sobre a sua disponibilidade para deixar o executivo, disse que "quem está no Governo está sempre disponível, por princípio, para sair no dia seguinte".

O ministro reagiu desta forma à notícia do semanário Expresso segundo a qual a auditoria da Inspeção-Geral da Educação à Lusófona detetou várias irregularidades e os graus académicos de 120 ex-alunos desta universidade podem vir a ser anulados, incluindo o seu, por ter tido equivalência a disciplinas que não existiam no ano em que esteve matriculado.

"Quanto à notícia desse jornal, o que eu posso dizer é que eu apresentei a minha candidatura, fi-lo de acordo com a lei, com as regras, fi-lo de boa-fé, como é normal. Foram-me atribuídas, de acordo com a legislação, as equivalências que foram. Cumpri", declarou Miguel Relvas aos jornalistas, à margem das jornadas parlamentares do PSD e do CDS-PP, na Assembleia da República, acrescentando: "E devo, aliás, dizer que toda a minha vida foi estabelecida independentemente da base do título que foi ou não foi atribuído".

"Fiz toda a minha vida e construí toda a minha vida independentemente dessa mesma circunstância, portanto, sinto-me de consciência tranquila, por uma razão muito simples, porque agi de acordo com a lei que estava em vigor e de boa-fé", reforçou o ministro, manifestando a vontade de que "tudo seja apurado".

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM