segurança

Autor de parecer de psicologia assume não ser psicólogo

Autor de parecer de psicologia assume não ser psicólogo

O autor do parecer de caráter psicológico que desaconselha o encontro da filha do advogado morto a tiro, em 2011, na Mamarrosa, com os avós e tios paternos assumiu, ontem, no Tribunal de Anadia, que não é psicólogo.

José Pereira Vinhal reconheceu que só viu uma única vez a criança e que o seu parecer foi feito tendo por base, entre outros, o relatório de um psiquiatra que confessou ao tribunal de júri ter escrito que a vítima mortal sofria de perturbações mentais, mas nem sequer conhecia o "doente".

"Não sou psicólogo, mas tenho conhecimentos de psicologia acima da média", afirmou Pereira Vinhal, quando confrontado com partes do seu parecer que é usado, numa ação judicial em curso, pela juíza Ana Joaquina (antiga companheira de Cláudio Rio Mendes, advogado assassinado pelo ex-sogro) para justificar o porquê de recusar o contacto da sua filha com os avós paternos.

Pereira Vinhal afirmou ainda ao tribunal que o arguido, Ferreira da Silva, "estava calmo e sereno" antes de ter disparado contra o pai da sua neta.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado