segurança

Ministério Público pede prisão efetiva para ex-ministro Armando Vara

Ministério Público pede prisão efetiva para ex-ministro Armando Vara

O Ministério Público pediu, esta quinta-feira de manhã, pena de prisão efetiva para a maior parte dos 36 arguidos do caso "Face Oculta". Justiça quer penas de cadeia efetivas para o ex-ministro Armando Vara, e para os políticos José Penedos e Paulo Penedos.

Nas alegações finais do julgamento, o procurador da República Marques Vidal foi duro nas penas pedidas e justificou-as adiantando que "a suspensão das mesmas seria o mesmo que dizer que podem cometer crimes porque não vão para a cadeia".

Para Manuel Godinho, principal arguido no caso e acusado de perto de 60 crimes, o Ministério Público (MP) pede uma pena de prisão "não inferior a 16 anos".

A Armando Vara, ex-ministro do PS e ex-vice-presidente do BCP, deve ser aplicada, para o procurador Marques Vidal, uma pena única de prisão efetiva, pelos três crimes de tráfico de influências de que está acusado. José Penedos, ex-presidente da REN, e o seu filho, Paulo Penedos, devem, igualmente ser presos, alega o MP.

Apenas no caso de Manuel Godinho, o procurador indicou a medida concreta de pena que, no entender do MP, deverá ser aplicada pelo coletivo de juízes.

"O MP não deve pedir penas concretas, mas a pena limite, deixando para aos juízes essas decisões", disse Marques Vidal.

No total, o MP pediu penas de prisão efetivas para 16 dos 34 arguidos, incluindo Paulo Penedos, filho de José Penedos, que está acusado de um crime de tráfico de influência.

Aos restantes arguidos, o MP admitiu a aplicação de penas suspensas.

Para o arguido Namércio Cunha, ex-braço direito de Manuel Godinho, o procurador pediu uma pena suspensa, face ao seu contributo para a descoberta da verdade.

Após as alegações do MP, o advogado Lopo Cancella de Abreu, mandatário da Petrogal, começou a alegar, seguindo-se as alegações da assistente Refer.

O processo "Face Oculta" está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho nos negócios com empresas do setor empresarial do Estado e privadas.

* com Lusa

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM