segurança

Vale e Azevedo condenado a 10 anos de prisão devido a negócios do Benfica

Vale e Azevedo condenado a 10 anos de prisão devido a negócios do Benfica

Vale e Azevedo foi condenado, esta manhã de terça-feira, a 10 anos de prisão por branqueamento de capitais, peculato, falsificação de documento e abuso de confiança, no negócio das transferências dos futebolistas britânicos Gary Charles e Scott Minto, do brasileiro Amaral e do marroquino Tahar El Khalej.

Ex- presidente do Benfica, de novembro de 1997 a outubro de 2000, estava acusado da apropriação indevida de mais de quatro milhões de euros pertença do clube.

Na leitura da decisão, a cargo do presidente do coletivo de juízes José Barata, e na qual Vale e Azevedo esteve ausente, foi dada como provada a essência da acusação sendo referido que o advogado agiu com dolo.

"Não restam dúvidas de que [Vale e Azevedo] se apropriou de verbas que não lhe pertenciam", referiu o juiz José Manuel Barata, que condenou ainda o antigo presidente do Benfica "a restituir ao clube" mais de cinco milhões de euros, a que acrescem juros de mora, o que perfaz mais de sete milhões de euros.

O tribunal condenou Vale e Azevedo a quatro anos de prisão por um crime de peculato na transferência do futebolista britânico Scott Minto.Pelo mesmo crime, Vale e Azevedo foi condenado a cinco anos de prisão pela transferência do também britânico Gary Charles.

Foi ainda condenado a três anos por abuso de confiança no que se refere à transação dos direitos desportivos do brasileiro Amaral.

O tribunal atribuiu igualmente as penas de dois anos de prisão pela falsificação de documento na transferência de Scott Minto e de quatro anos e meio na negociação de Amaral.

No crime de branqueamento de capitais, Vale e Azevedo foi condenado a cinco anos de prisão por se ter apropriado de 500 mil libras estrelinas na transferência de Scott Minto.

Em cúmulo jurídico, o coletivo de juízes fixou a pena única de 10 anos de prisão efetiva e decidiu pedir o alargamento do pedido de extradição para Portugal.

A cumprir pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira (Sintra), Vale e Azevedo esteve ausente na leitura do acórdão, ao abrigo da extradição para Portugal, no âmbito do cúmulo jurídico de 11 anos e meio fixado com as condenações nos processos Ovchinnikov/Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria.

* com Lusa

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado