Sociedade

Escolas perdem funcionários para mobilidade interna

Escolas perdem funcionários para mobilidade interna

Além de professores, há escolas que podem perder funcionários não docentes para a mobilidade interna. Os diretores receberam anteontem, ao final do dia, uma circular do Ministério da Educação a informá-los de que têm de enviar para as direções de serviços regionais, até dia 16, a lista com os nomes dos excedentários, para que estes sejam recolocados até ao início do ano letivo.

Berta Amaral, diretora do agrupamento de escolas de Tabuaço, por exemplo, foi informada que, de acordo com o rácio, tem dois assistentes técnicos "a mais". Vai ter de contactar os oito funcionários da secretaria, para saber se algum quer voluntariamente mudar para outro estabelecimento num raio de 30 quilómetros.

"Mais uma vez, o 'timing' escolhido não foi o melhor. Fomos apanhados de surpresa e temos a maioria dos funcionários de férias", sublinha Filinto Ramos Lima.

Leia mais na edição e-paper ou na edição impressa

Leia mais na versão e-paper ou na edição impressa

Conteúdo Patrocinado