espaço

Excesso de lixo ameaça satélites e astronautas

Excesso de lixo ameaça satélites e astronautas

O número de detritos que flutuam no espaço atingiu um "ponto crítico", ameaçando cada vez mais os satélites e os astronautas, alertam cientistas norte-americanos.

A NASA, a agência espacial norte-americana, contabilizou 22 mil resíduos e estima em milhões o número dos que possam ser ainda registados. Entre os fragmentos já identificados, contam-se pelo menos 500 mil com um a dez centímetros de diâmetro, e que podem causar danos.

"O espaço está a tornar-se cada vez mais perigoso para os engenhos espaciais e astronautas", afirma num relatório, citado pela agência noticiosa AFP, Donald Kessler, antigo responsável da NASA e presidente de uma comissão encarregada de estudar a questão do 'lixo' orbital.

Perante esta ameaça, Kessler defende que a NASA "deve encontrar o melhor meio para atacar todos os problemas causados pelos meteoritos e detritos orbitais, que põem em risco os homens e as missões dos robôs espaciais".

Projecções informáticas revelam que o número de resíduos atingiu um "ponto crítico", que faz com que entrem em colisão e criem novos resíduos, aumentando o risco de danos nos aparelhos espaciais, admite o Conselho de Investigação Nacional.

A China foi mencionada como uma das fontes de aumento do número de detritos no espaço quando, há quatro anos, testou mísseis anti-satélites, que pulverizaram um satélite em 150 mil fragmentos.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado