Sociedade

Lacuna na lei permite a políticos "abusar" da velocidade na estrada

Lacuna na lei permite a políticos "abusar" da velocidade na estrada

A infração por excesso de velocidade de Mário Soares - apanhado anteontem a cerca de 200km/h na A8, em Leiria - volta a levantar o problema do regime de exceção aplicado a viaturas oficiais. A lei não especifica o que considera ser "marcha urgente de interesse público e os políticos abusam", acusa o porta-voz da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados.

A ACA-M prepara, neste momento, um ação contra o Estado por omissão na legislação, na sequência de um acidente que vitimou, em Fevereiro, um jovem de 23 anos na Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa, revela o advogado da associação. O autocarro com adeptos polacos do Legia, escoltado pela PSP, não terá respeitado o sinal vermelho.

Para o presidente da Automóvel Club de Portugal, Carlos Barbosa, o comportamento do ex-presidente da República foi "inaceitável" a vários níveis. "Não deu o exemplo e disse que seria o Estado a pagar, pelos vistos, em tom mal educado".

Manuel João Ramos, da ACA-M, condena de forma veemente a conduta "anti-social de Mário Soares" e explica que é preciso legislar no sentido de tornar cúmplice o político, para que não recaia a culpa no motorista, como sucedeu no caso Mário Mendes. Soares também era conduzido por motorista. "Afinal, quando se pode considerar marcha urgente e colocar em risco a vida dos outros?".

Utilizam o regime de exceção viaturas oficiais, ambulâncias, equipas de futebol, concretiza a ACAM. O princípio que o justifica - a segurança - baseia-se na ideia de que a alta velocidade pode evitar atentados. Não foi possível obter reação, em tempo útil, de Mário Soares e um esclarecimento da parte da Autoridade Nacional Segurança Rodoviária.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado