Sociedade

Papa Francisco foi recebido no Rio de Janeiro por multidão de fiéis

Papa Francisco foi recebido no Rio de Janeiro por multidão de fiéis

O Papa Francisco, que chegou esta segunda-feira ao Brasil, por ocasião das Jornadas Mundiais da Juventude, fez o percurso entre o aeroporto e o centro da cidade do Rio de Janeiro num veículo blindado, mas com a janela aberta.

A presidente Dilma Rousseff recebeu o sumo pontífice na Base Aérea do Galeão, onde o avião aterrou cerca das 15.45 horas locais (19.45 horas em Portugal continental).

Apesar de ter usado, por questões de segurança, um veículo blindado, entre o aeroporto internacional do Rio de Janeiro até ao centro da cidade, o Papa abriu a janela do automóvel para que as pessoas pudessem vê-lo.

Francisco saudou algumas pessoas que se juntaram perto da Linha Vermelha, uma via rápida que atravessa alguns dos bairros pobres que integram o complexo de favelas da Maré.

A comitiva passou por favelas como a Parque União, Nova Holanda ou Baixa do Sapateiro - onde o Governo brasileiro ainda não aplicou um programa para "pacificar" os bairros controlados por grupos criminosos e instalar postos policiais permanentes.

Alguns minutos depois, quando o Papa se aproximava da catedral do Rio de Janeiro, a comitiva foi quase obrigada a parar devido à imensa multidão que queria aproximar-se do veículo para saudar Francisco.

O Papa, protegido por polícias à paisana, manteve sempre a janela do automóvel aberta para saudar os fiéis.

No primeiro ponto do programa no Rio de Janeiro, o Papa vai realizar um percurso por algumas ruas do centro da cidade a bordo de um veículo aberto e não blindado, o que inicialmente não estava previsto.

Depois do primeiro encontro com a população, Francisco irá ao palácio de Guanabara, sede do governo do Rio de Janeiro, para a cerimónia protocolar de receção e um primeiro encontro privado com Rousseff.

Em conferência de imprensa, o presidente da câmara do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, declarou que a cidade está preparada para garantir a segurança do Papa, mesmo que este decida "sair do programa oficial" e aproximar-se do público.

"Sabemos que o Papa gosta de esquecer as regras e isso é motivo de orgulho para o Rio de Janeiro. O Papa poderá aproximar-se do povo, dialogar e fazer o que quiser durante a sua estadia na cidade. Estamos preparados para a visita", afirmou, de acordo com a agência noticiosa espanhola Efe.

Invasão de "hackers"

"Hackers" invadiram, na tarde desta segunda-feira, a conta na Internet do portal noticioso G1 na rede social Twitter e defenderam o protesto de receção ao Papa Francisco.

A manifestação, agendada pela Internet, foi convocada pelo grupo "Anonymous Rio", contra os gastos públicos com a ida do papa Francisco ao Brasil, contra o governador do estado, contra a violência policial e pelo estado laico.

"Protestos hoje Palácio da Guanabara Rio de Janeiro todos juntos #VemPraRua #BRASIL", diz um post feito pelos "hackers" no Twitter do G1.

A autoria da invasão à página na Internet é reivindicada pelo grupo "Anonymous Brasil". As mensagens deixadas pelos "hackers" também criticam a Rede Globo de Televisão, a concentração dos meios de comunicação social brasileiros nas mãos de poucos e o serviço "nojento e covarde" de emissoras de TV.

"Por que a grande média criminaliza os movimentos sociais?", diz outra mensagem deixada.

O G1 informou que a invasão foi sofrida no início da tarde desta segunda-feira e que o Twitter já foi informado. A página está bloqueada para novas mensagens, mas ainda não voltou ao controle do portal de notícias.

Os Anonymous são um grupo internacional que costuma agir pela Internet com ações de "hackers" contra sites institucionais.

Os seus membros distinguem-se por usarem máscaras de Guy Fawkes - arquiteto de uma conspiração para destruir o parlamento britânico no século XVII - popularizadas no filme "V de Vingança", de 2005.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado