Cimeira de Copenhaga

Um terço da energia nacional é renovável

Um terço da energia nacional é renovável

Hídrica e eólica garantem 26% de toda a energia consumida em Portugal.

Perto de um terço do total da energia nacional é produzida graças a fontes renováveis. Em seis anos, a hídrica desceu para quase metade e a eólica rebentou. Juntas asseguram 86% do total das energias renováveis.

Em Agosto de 2009, segundo dados da Direcção Geral de Energia e Geologia, 30,6% de toda a energia produzida em Portugal, mais o saldo importador, teve origem em fontes renováveis. No entanto, se utilizarmos os critérios da Directiva Europeia das Renováveis de 2001, de Janeiro a Outubro a percentagem das energias renováveis utilizada sobe para 45,2% no total.

Nos primeiros oito meses do corrente ano, a produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis aumentou 11% relativamente a igual período do ano anterior.

Se olharmos para a evolução histórica da produção das energias renováveis desde 2004 verifica-se que, em termos de Gigawatts por hora (GWh) produzidos não houve uma grande evolução. Se exceptuarmos o ano atípico de 2005, os valores dos últimos cinco anos encontram-se sempre entre os 12.590 GWh de 2004 (35,3% do total) e os 16.445 de 2007 (31,1%).

Porém, seguindo os critérios da Directiva, nestes cinco anos registou-se um aumento do peso das renováveis de 34,6% para os actuais 45,2%.

Critérios à parte, o que mudou substancialmente nos últimos anos foi a origem das renováveis. A energia hídrica continua a ser a mais utilizada (47% do total) e assegura, só por si, 14,4% de toda a energia consumida. Todavia, o seu peso tem vindo a diminuir drasticamente. Em 2003, por exemplo, as centrais hídricas produziram 15.894 GWh, enquanto no ano passado apenas geraram 7.597 GWh.

Em sentido contrário movimenta-se a energia eólica que actualmente representa 39,3% das renováveis e assegura 12% do total da energia consumida, com 6.350 GWh produzidos em 2008.

No que diz respeito às restantes fontes renováveis, a Biomassa, o Biogás e os Resíduos Sólidos Urbanos geraram 4% do total de energia. Por último, a energia fotovoltaica, apesar do enorme crescimento (ver caixa), assegura apenas 0,2% de toda a energia consumida em Portugal.

Destaque-se, ainda, os 4,2 Megawatts (MW) de energia de ondas e marés que foram instalados em 2008, mas que não produzem resultados significativos no total nacional.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado