médicos

Bastonário dos Médicos fala no início de um novo futuro

Bastonário dos Médicos fala no início de um novo futuro

O bastonário da Ordem dos Médicos classificou o dia desta terça-feira como o início de "um novo futuro" e dirigiu-se ao ministro da Saúde para dizer que as reformas não se fazem contra os profissionais nem contra os doentes.

"Estamos numa grave encruzilhada na Saúde e hoje é o dia em que se pode começar a desenhar um novo futuro", disse José Manuel Silva, dirigindo-se aos mais de 2500 médicos presentes na manifestação em frente ao Ministério da Saúde.

Lembrando que a Ordem dos Médicos (OM) esteve desde o início "ativamente envolvida" no protesto convocado pelos dois sindicatos do setor, o bastonário justificou ainda a sua presença na manifestação invocando a sua condição de "cidadão preocupado com o país".

José Manuel Silva quis ainda "afirmar publicamente" que os médicos querem um "diálogo sereno, construtivo, objetivo e consequente com o Ministério da Saúde, algo a que a equipa ministerial se furtou durante meses, mostrando que o ministro está muito mal assessorado".

Depois, dirigindo as palavras especificamente para o ministro da Saúde, o bastonário pôs os médicos à disposição para ajudar a resolver os problemas da saúde.

"As reformas fazem-se com todos os profissionais e com os doentes, e nunca contra os profissionais e contra os doentes", sublinhou, acrescentando uma saudação aos dirigentes da enfermagem presentes no protesto.

Para o bastonário, a adesão à greve e à manifestação é um sinal inequívoco de "empenho e cidadania".

"Hoje, médicos e doentes aderiram massivamente à greve; espero que o ministro saiba tirar daí as devidas ilações. Não tenho dúvidas de que amanhã será ainda maior, para que ninguém tenha dúvidas sobre a nossa determinação", salientou.

Relacionadas

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado