Sociedade

Doente suspeita de ébola foi transferida para o Curry Cabral

Doente suspeita de ébola foi transferida para o Curry Cabral

Uma doente com graves suspeitas de ébola foi detetada esta sexta-feira no Hospital do Barreiro-Montijo. Trata-se de uma cidadã estrangeira, procedente da Guiné-Conacri e que já foi transferida para o Hospital Curry Cabral, em Lisboa. Os resultados das análises que confirmam a presença do vírus serão conhecidos esta noite.

A doente, alegadamente portadora do vírus, e que não fala Português, chegou a Portugal há nove dias e apresenta critérios epidemiológicos e clínicos para a doença por vírus ébola, tendo dado entrada no Centro Hospitalar Barreiro-Montijo esta sexta-feira. Apresentava febre e outros sintomas respiratórios consistentes com a doença.

O JN sabe que uma equipa do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) deslocou-se para o Curry Cabral, para onde foi transferida, para efetuar a colheita de sangue para as análises que poderão confirmar, ou não, a existência de ébola ou de outras doenças tropicais.

Dois técnicos do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) realizaram as análises para apurar se a doente internada no Hospital Curry Cabral, Lisboa, é portadora do vírus ébola.

As amostras de produtos biológicos foram recolhidas no Curry Cabral e transportadas para o INSA. Pelas 18 horas, dois técnicos, devidamente equipados com proteções de segurança, começaram a realizar as análises, apurou o JN junto do presidente do INSA, Fernando Almeida.

As análises e contra-análises (para confirmação dos resultados) demoram cerca de quatro horas a serem realizadas pelo que os resultados deverão ser conhecido ainda esta sexta-feira à noite. Se o resultado for negativo, é considerado conclusivo. Se for positivo, são enviadas amostras para um laboratório de segurança máxima, na Alemanha, que faz testes com vírus em ambiente natural.

A doença por vírus de ébola não é única rastreada na bateria de testes que o INSA aplica aos casos validados como suspeitos. Malária, vírus de Marburg e febre de Lassa são outras patologias pesquisadas.

Este é o nono caso suspeito de ébola em Portugal mas é, de acordo com fonte contactada pelo JN, o que apresenta sintomas mais credíveis da doença.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que o combate contra a epidemia de ébola continua a ser extremamente difícil e que a situação mantém-se muito preocupante, advertindo contra falsos otimismos.

De acordo com a OMS, o número de pessoas infetadas com a febre hemorrágica ébola voltou a subir na semana passada pelo segundo período consecutivo, principalmente na Guiné-Conacri.

Até ao passado dia 8 de fevereiro tinham sido confirmados 144 novos casos no espaço de uma semana contra os 124 detetados na semana anterior.

Na Guiné-Conacri foram registados 65 novos casos, contra os 39 detetados uma semana antes, refere a OMS, acrescentando que se trata do número mais elevado desde o início do ano.

Na Serra Leoa foram confirmados 74 novos casos, contra os 80 registados a semana anterior e na Libéria apareceram apenas três novos casos.

"Este aumento do número de casos na Guiné-Conacri e de transmissão generalizada na Serra Leoa demonstram os importantes desafios que ainda precisam ser superados para alcançar zero casos", alertou a OMS.

Desde o início da epidemia, 22.894 pessoas foram infetadas com o Ébola em nove países e 9.177 morreram.

Todas as mortes, exceto 15, ocorreram na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM