Sida

Estudos confirmam eficácia preventiva dos anti-retrovirais na Sida

Estudos confirmam eficácia preventiva dos anti-retrovirais na Sida

Os resultados definitivos de dois ensaios clínicos divulgados na quarta-feira nos Estados Unidos e realizados em África junto de casais heterossexuais sorodiscordantes confirmam a eficácia dos anti-retrovirais para prevenir a infeção.

Já um terceiro estudo realizado no Quénia, África do Sul e Tanzânia, cujos resultados foram divulgados também na quarta-feira na revista médica americana "New England Journal of Medicine", não revelou quase nenhum efeito protetor devido, segundo os autores, "à baixa adesão ao tratamento anti-retroviral [Truvada] pelos participantes", todos seronegativos.

Para ter uma eficácia profilática, os anti-retrovirais deverão ser tomados oralmente sob a forma de comprimido uma vez por dia.

O primeiro estudo foi financiado pela fundação de Bill e Melinda Gates e conduzido entre 2008 e 2010 no Quénia e Uganda junto de 5000 casais heterossexuais, em que um dos parceiros era seropositivo.

Os anti-retrovirais foram prescritos aos parceiros seronegativos, que viram o risco de serem infetados pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH), responsável pela Sida, entre 67 e 75%.

O segundo ensaio foi realizado entre 2007 e 2010 no Botswana junto de 1219 homens e mulheres. Os parceiros seronegativos que tomaram anti-retrovirais viram o risco de serem infetados reduzido em 62,2%.

Já no terceiro estudo, desenvolvido junto de 2120 mulheres seronegativas no Quénia, África do Sul e Tanzânia, nenhuma diferença foi constatada entre o grupo que tomou anti-retrovirais e o grupo que recebeu placebo.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado