O Jogo ao Vivo

Sociedade

Mais de 1100 farmácias em dificuldades com fornecimentos suspensos

Mais de 1100 farmácias em dificuldades com fornecimentos suspensos

Mais de 1100 farmácias têm atualmente os fornecimentos suspensos e a situação económica é de tal forma insustentável que não permite cobrir os custos fixos na maioria destes estabelecimentos.

A conclusão é de um um estudo que será apresentado esta quinta-feira sobre a evolução da situação económica das farmácias e que foi realizado pelo economista Pedro Pita Barros, da Nova School of Business & Economics (Nova SBE).

De acordo com as conclusões do estudo, o número atual de farmácias com fornecimentos suspensos é de 1131, representando um crescimento superior a 30% nos últimos três meses.

A investigação sublinha que "a situação económica atual das farmácias é insustentável, não permitindo cobrir sequer os custos fixos na maioria das farmácias".

"Esta situação conduzirá ao encerramento de farmácias pela impossibilidade dos seus proprietários suportarem indefinidamente os prejuízos da atividade", lê-se nas conclusões.

Este cenário foi anterior à redução das margens das farmácias, em vigor desde 1 de janeiro de 2012, que "está a ter um fortíssimo impacto negativo na situação económica das farmácias", prevendo-se que a situação seja, por isso, ainda pior.

Este estudo recorda que um outro elaborado pela Autoridade da Concorrência, em 2005, previa a capacidade de as farmácias suportarem uma redução de preços de cinco por cento, tendo como referência o preço médio por receita dispensada de 38,81 euros, em 2002.

A redução de preços verificada desde 2005 "foi muito superior, da ordem dos 20%".

O preço médio por receita dispensada em 2009 era de 36,65 euros e, em abril deste ano, de 30,78 euros.

Desde 2010 que a farmácia média está a funcionar com margem negativa, de acordo com estimativas obtidas para 2010 e levadas em conta neste estudo.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado