Opinião

João Gonçalves

Desenrascar a Direita

Francisco Lucas Pires, uma das minhas poucas "referências" permanentes, escreveu, a propósito do poder, que este "é um factor de desembaraço, de "desenrascanço", dir-se-ia em linguagem de caserna", "uma candeia que vai à frente". Ninguém, nestes 45 anos de regime, pôs tão eficazmente estas reflexões em prática como António Costa. Sem ganhar as eleições decisivas para o funcionamento do sistema, as legislativas, Costa "desenrascou" uma solução alternativa de poder que recolocou, numa legislatura inteira, o PS enquanto "candeia" distribuidora do carteio à Esquerda e à Direita. Manietou a primeira e condicionou toda a acção política no espaço da segunda. O recente episódio melancólico no PSD - que começou numa bravata sem substância perpetrada por Luís Montenegro, insinuada ao próprio pelo tandem Marques Mendes/Marcelo, para acabar às mãos de Rui Rio pelo ano eleitoral todo - é fruto da impotência reactiva da Direita à agressividade política de Costa. Costa "desideologizou" a acção política ao fazê-la retroagir à dicotomia simplificadora "Esquerda-Direita" para sublimar a derrota política e pessoal de 2015. O PC e o Bloco foram os arietes desse oportunismo capaz do secretário-geral socialista e que agora se separa, aos fins-de-semana, para cada um pedalar a respectiva bicicleta eleitoral. É preciso ter presente que Costa está a disputar uma primeira vitória legislativa. A Direita, pelo contrário, chega a Outubro com duas vitórias a crédito mas desprovida da figura de autoridade que lhe deu essas vitórias. Também a Direita vai agora ter de se "desenrascar" para responder ao desafio político-administrativo fundador desta legislatura: somar mais deputados eleitos em Outubro que a Esquerda. O PSD de Rio, que alguns dos seus apoiantes preferem "pequeno" e próximo do PS a ter um papel fundamental nessa coligação, perdeu progressivamente autoridade para polarizar esse movimento destinado a colocar um fim útil à frente de Esquerda, inútil, até, para garantir os mínimos ao Estado social de Direito. Mas é para essa coligação que a Direita, aliada no essencial mesmo que separada nos sufrágios, deve trabalhar. É um trabalho cultural e político a exercer no "terreno" pela Aliança, pelo CDS, pelo PSD e por outras iniciativas partidárias ou não, para que a Direita seja reconhecida no país por ter um sentido para ele, como em 2011 e 2015, e não meramente porque sim.

Fernando Calado Rodrigues

Unidade dos cristãos não é uniformidade

Há mais de um século que cristãos de diferentes igrejas dão passos em ordem à unidade e celebram a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Nos finais do século XIX, Paul Wattson, um sacerdote anglicano, e Lurana White, também anglicana, começaram a desenvolver a ideia de introduzir na Igreja Episcopaliana dos Estados Unidos da América, a que pertenciam, o estilo de vida franciscano. Em 1898, fundaram uma congregação com esse objetivo, bem como o de promover o regresso da Igreja Anglicana à comunhão com o Papa. Em 1908, Paul Wattson estabeleceu no seio da sua comunidade o Oitavário pela Unidade dos Cristãos, entre o dia 18 de janeiro (festa da cadeira de S. Pedro) e o dia 25 de janeiro (a comemoração da Conversão de S. Paulo).

A sua Opinião

Terminada a primeira volta da Liga, quem está mais bem posicionado para ser campeão?

Evasões

Notícias

Raminhos é o cicerone do novo "comedy club" do Porto

Todas as primeiras quintas-feiras do mês serão dedicadas à stand-up comedy, no Hard Rock da Invicta. Nesta edição inaugural estarão presentes em palco vários amigos de António Raminhos, que será o cicerone deste encontro mensal. Mas não será só com nomes conhecidos da comédia que se vão fazer estes espetáculos. Quem quiser testar o seu talento para a comédia em frente a uma plateia, pode inscrever-se no open-mic – microfone aberto para quem quiser apresentar o seu material. Raminhos é um dos mais famosos humoristas portugueses. Depois de uma curta passagem pelo jornalismo, celebrizou-se em programas televisivos como o «5 […]

Fim de semana

7 filmes na TV para os 7 dias desta semana

Percorra as imagens da fotogaleria acima para conhecer estas sete sugestões de filmes que vão ser transmitidos na televisão portuguesa, um para cada dia da semana que agora arranca. Há escolhas para todos os gostos, do drama à comédia e ao crime, nos canais generalistas em sinal aberto ou nos do cabo. Angelina Jolie, Kevin Bacon, Naomi Watts, Adam Sandler e Michael Fassbender são alguns dos protagonistas. Leia também: 11 locais para aproveitar o sol de inverno em Lisboa Esplanadas e jardins para aproveitar o sol de inverno no Porto O Artista: O novo hotel de Lisboa inspirado em Vasco […]

Ar livre

O que se come e compra na rua mais pequena do Porto

    A Rua de Afonso Martins Alho, uma transversal entre a Rua das Flores e a Rua de Mouzinho da Silveira, tem apenas 30 metros, o que lhe vale o título de rua mais pequena do Porto. Deve o nome a um mercador portuense que, no século XIV, esteve por detrás do primeiro tratado comercial firmado entre Inglaterra e Portugal. Era um negociador tão hábil e perspicaz, que deu origem à expressão «fino como o Alho», usada em referência a alguém que é esperto, e pintada numa caixa de eletricidade da vizinha Rua das Flores. Está tudo ligado: no […]

Comer

O Artista: O novo hotel de Lisboa inspirado em Vasco Santana

Na rua das Portas de Santo Antão há quem pare em frente a O Artista e pergunte se é uma sala de espetáculos ou um teatro. A confusão tem razão de ser. Fica nas costas do Teatro D. Maria II, a uma curta distância do Coliseu dos Recreios e do Politeama. Já para não falar no nome e na carpete vermelha logo à entrada. Mas não, O Artista é um hotel decorado por artistas, em homenagem a um dos maiores artistas portugueses. «A carpete vermelha que parece ondular é uma referência à cena de O Pátio das Cantigas em que […]

Comer

Tudo sobre o food court asiático do Martim Moniz

Pauzinhos, taças XL com caldos e tabuleiros. Desde outubro que o primeiro piso do supermercado Amanhecer-Oriental, se transformou no Mercado Oriental, uma nova zona de restauração dedicada a comida de rua asiática. A abertura passou despercebida a quem não anda pelas redondezas, mas a palavra parece ter corrido rapidamente, já que o espaço de 120 lugares enche aos almoços e, ainda mais, aos fins de semana. «Temos o primeiro restaurante sul-coreano aqui e também o primeiro de comida exclusivamente macaense», explica Joana Huang, responsável pelo Supermercado Amanhecer-Oriental e pelo novo mercado. As obras para transformar o antigo armazém arrancaram em […]