Opinião

Manuel Molinos

O Robocop dos eurodeputados

Não, senhores eurodeputados, a Internet não é o futuro. É um presente já com muito passado. Querer controlar os conteúdos publicados na rede à custa de supercomputadores polícias que verificarão todos os nossos uploads é estar a criar verdadeiros monstros de censura. A proposta europeia aprovada esta quarta-feira relativa aos direitos de autor no mercado único digital, que contou com o voto a favor do eurodeputado português Marinho e Pinto, não serve o interesse nem das empresas, nem dos autores e muito menos dos utilizadores. São dois os artigos polémicos. Um, o artigo 13, prevê que todos os conteúdos carregados na Internet sejam monitorizados, o que pressupõe que todas as empresas que operam na rede tenham de recorrer a programas caros e complexos de filtros para avaliar direitos de autor. O segundo, o artigo 11, contempla que tecnológicas como, por exemplo, Google e Facebook, paguem aos média uma taxa por cada link de notícias e outros conteúdos usados nessas plataformas. A generalização da implementação de filtros, que aliás já existem no Youtube e Spotify, não só é irrealista como não está provada a sua eficácia. Estas ferramentas de vigilância nem sempre distinguem conteúdo legal de violação dos direitos de autor. E que garantias serão dadas aos utilizadores que os dados que vão disponibilizar não serão usados para outros fins? Quanto à "taxa do link", a história já demonstrou a sua ineficácia na Alemanha e em Espanha, países que a implementaram. Quando a Google News deixou de publicar os excertos das notícias, as empresas produtoras de conteúdos registaram descidas brutais no tráfego. De resto, os média e a Google têm encontrado, sem leis e sem políticos, parcerias de entendimento.

Francisco Seixas da Costa

Sorrisos a mais

No início de 2000, o líder conservador austríaco, vencedor das eleições no seu país, decidiu fazer uma coligação com um partido de extrema-direita, cujos responsáveis haviam dado mostra pública de simpatias pelo nazismo. A Europa comunitária reagiu, em polvorosa, e Portugal, enquanto presidência da União Europeia, teve de gerir aquele que foi um período muito delicado da vida europeia. A Áustria foi alvo de "sanções" e o assunto acabou por vir a originar a inserção de disposições no novo tratado europeu então em curso de negociação, contemplando a possibilidade de um Estado poder vir a ser suspenso de membro, em determinadas condições. Noto, para se perceber o que mais adiante refiro, que aí se fala de "um" Estado, pressupondo-se que os restantes se mantêm no completo respeito pelo acervo legislativo relevante.

grupo de investigadores precários

O (des)emprego científico

A ciência em Portugal está envolta num clima de incertezas. Se, por um lado, o Governo anuncia medidas como o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP) e a Norma Transitória (NT) do Decreto-Lei 57/2016 (alterado pela Lei 57/2017) para regularizar vínculos inadequados, como bandeiras políticas, por outro, alguns académicos têm vindo a público opor-se à melhoria das condições dos trabalhadores científicos em Portugal. Convém relembrar que há um elevado número de investigadores em Portugal que acumulam bolsas ou contratos de curta duração há anos (alguns há mais de 15 ou 20), sem acesso às mais elementares formas de proteção social. Estes investigadores contribuem de forma determinante para a produção científica contabilizada na avaliação das suas instituições, captam milhões de euros de financiamento, orientam centenas de teses de mestrado e doutoramento, e colaboram no ensino das universidades nestas condições - isto não é burocracia!

Felisbela Lopes

Imagens que nos comoveram. E depois?

Donald Trump recuou na separação de pais e filhos migrantes na fronteira entre os Estados Unidos e o México, mas vai continuar a promover a sua política de tolerância zero. Na Europa, encontrará alguns governos que concordam com as suas práticas. É preciso, pois, criar zonas de pressão para interromper certas barbáries, infligidas a pessoas completamente indefesas. Neste caso, as imagens reúnem sempre uma força colossal. Necessitamos de as pôr a circular. Rapidamente e em força.

A sua Opinião

Um ano depois dos incêndios de Pedrógão, a floresta portuguesa está mais protegida?

Evasões

Ar livre

São João: arraiais e cascatas a não perder no Porto

Com a chegada do verão, compram-se os manjericos e os martelinhos de brincar, assam-se as sardinhas e os pimentos e espera-se pela noite mais curta do ano. Apesar de não ser, de facto, a mais curta, é a mais preenchida e agitada do Porto, com arraiais a acontecer por (quase) todas as esquinas. As opções são muitas, há quase para todos os gostos, no entanto, destacamos três. Mas, para se começar a entrar no espírito sanjoanino, sugerimos também uma visita pelas cascatas de São João. A Cascata Comunitária do Porto é apresentada hoje, sexta-feira, no Mercado Temporário do Bolhão, e […]

Ar livre

Coimbra: este festival de jazz enche escadas

O festival, organizado pela Associação Cultural Quebra Costas, distingue-se, desde logo, pelo espaço em que decorre: as escadas que ligam a Baixa à Alta, zona classificada como Património da Humanidade pela UNESCO. Daquele palco com apenas cinco por três metros, montado num patamar, se diz que pode ser o mais pequeno do mundo. Paulo Bandeira, diretor, fundador e programador do QuebraJazz, não duvida de que se trata de um palco «mágico», «um dos melhores auditórios», graças à «acústica especial». Destaca também o facto de permitir grande proximidade com os espetadores, que rodeiam os músicos. Chega a haver pessoas sentadas a […]

Notícias

10 dias, 10 chefs: festival mostra o melhor dos Açores

Pelo sétimo ano consecutivo, os Açores vão voltar a mostrar o melhor da sua gastronomia. O 10 Fest Açores arrancaesta quinta-feira e prolonga-se até 30 de junho, no restaurante Anfiteatro, em Ponta Delgada. Na prática, 10 chefs ou equipas nacionais e internacionais vão preparar 10 jantares de degustação (cada um com seis pratos e vinhos incluídos), ao longo de 10 dias, com o objetivo de enaltecer os produtos regionais e os sabores açorianos. A iniciativa arranca com o jantar preparado pelo casal Jéssica Carreira e David Costa, que abriram em 2015 um restaurante no centro de San José, na Califórnia, […]

Fim de semana

Porto: 6 sugestões para aproveitar um fim de semana de festa

Não falta o que fazer neste fim de semana marcado pelo São João e início do verão. Apesar da chuva que está prevista, há muitas razões para sair de casa: o desfilo cheio de cor e música das Rusgas de São João, na Avenida dos Aliados, a visita guiada, e gratuita, aos bastidores do Teatro Nacional São João, a exposição de posters do Mundial, na Câmara Municipal do Porto, um brunch diversificado e completo para recuperar das festas, uma aula de yoga ao ar livre e a tradicional Regata de Barcos Rabelos, no Rio Douro. Vamos a isso. Leia também: […]