Em Atualização

Contagem dos casos de coronavírus em Portugal

Atualização permanente

Contagem em tempo real dos casos de coronavírus no mundo

O colete inteligente que o ajuda a ficar um profissional no futebol

O colete inteligente que o ajuda a ficar um profissional no futebol

Hoje em dia, embora Pep Guardiola nos seus tempos de treinador no Bayern de Munique o tenha dito em tom de desdém ao referir-se a vários jogadores do Real Madrid, todos "são atletas". Numa era em que o VAR e o big data analisam cada um dos movimentos dos jogadores durante um jogo, os treinos atingiram níveis de sofisticação que os míticos jogadores dos anos 90 nunca teriam imaginado. Já não basta fazer umas corridas ou subir e descer as bancadas do estádio. Agora, em qualquer equipa de elite, o habitual é ver os futebolistas a usar um colete inteligente com GPS que permite aos preparadores físicos medir, através de uma aplicação, o esforço, a distância percorrida, as rotações, a aceleração e outras variáveis para analisar e melhorar o rendimento dos jogadores.Maldo, o nosso especialista em desporto, esteve a treinar com o Leganés, uma das equipas da exigente LaLiga Santander, para verificar se, de facto, este tipo de dispositivos nos pode ajudar a ter o rendimento de um profissional.

Realidade virtual para ajudar a ultrapassar fobias

Realidade virtual para ajudar a ultrapassar fobias

Segundo a publicação da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, uma fobia "é um medo persistente, excessivo e pouco realista de um objeto, pessoa, animal, atividade ou situação. É um tipo de transtorno de ansiedade. Uma pessoa com fobia tenta evitar o que provoca o medo ou suporta-o com grande ansiedade e angústia." E, como o medo é livre, o catálogo de fobias é extenso e variado. São-nos familiares as mais comuns, com as quais convivemos habitualmente porque sofremos delas ou porque alguém próximo as tem. Todos conhecemos alguém que sofre de claustrofobia (medo de espaços fechados), agorafobia (o oposto, medo de espaços abertos) ou aracnofobia (as aranhas povoam muitos pesadelos). Porém, é menos frequente ter coulrofobia (medo de palhaços), ligirofobia (medo de ruídos fortes) ou latrofobia (medo de ir ao médico). A Organização Mundial da Saúde estima em 20% a percentagem da população do planeta que sofre de algum tipo de fobia. Estes medos podem ir desde um ligeiro incómodo que pode ser superado com algum esforço até sensações de ansiedade e reações físicas que se tornam totalmente debilitantes para quem sofre de fobias, obrigando essas pessoas a alterar drasticamente o seu modo de vida.Para combater estas fobias que enfrentamos diariamente, os psicólogos encontraram um aliado extraordinário na tecnologia, através da realidade virtual. Até há bem pouco tempo, os terapeutas procuravam incentivar os seus doentes a imaginar situações nas quais enfrentavam os seus medos. Agora, no entanto, é possível colocá-los perante uma representação digital que, através de óculos de realidade virtual, lhes permite experimentar, de forma segura e acompanhados por um profissional, as situações que lhes provocam pânico. Uma das empresas pioneiras e mais avançadas a nível mundial no setor destas novas terapias é a espanhola Psious. Através da sua plataforma online especificamente desenhada para a saúde mental e de uma aplicação criada por psicólogos, é possível tratar transtornos de ansiedade e fobias utilizando a realidade virtual. Para comprovar em primeira mão como funciona este ambiente, Natalia Sprenger ofereceu-se como voluntária para tentar superar o seu medo de alturas através das terapias da Psious.Entrevista e edição: Natalia Sprenger | Noelia Núñez | Marius CirjaTexto: José L. Álvarez Cedena

Economia