politica

Manuel Seabra pode ser candidato a deputado

Manuel Seabra pode ser candidato a deputado

O ex-número dois de Narciso Miranda na Câmara de Matosinhos poderá integrar a lista de candidatos a deputados do PS pelo círculo do Porto. Manuel Seabra não rejeita essa possibilidade, que será do agrado do líder distrital. Francisco Assis diz que só, para a semana, começa a trabalhar nas listas. Certo é que, tal como no PSD, os autarcas do PS não serão candidatos.

A inclusão de Seabra na lista será uma forma de reabilitação política do vereador, depois das conclusões do inquérito aos incidentes na lota de Matosinhos, que lhe vedaram a candidatura àquela autarquia. A hipótese já terá sido abordada num contacto com Assis.

Entre os dirigentes socialistas, também se fala na hipótese de Narciso Miranda retomar a "tradição" de integrar a lista. Porém, o Secretariado poderá aprovar, hoje, uma orientação que lhe vetará eventuais intentos nesse sentido. À semelhança de 2002, o PS/Porto deverá determinar o princípio de que os autarcas não sejam candidatos às legislativas.

"Em princípio, os autarcas não serão candidatos. Só será candidato quem for mesmo assumir o mandato", sustentou, ao JN, o líder do PS/Porto, defendendo uma orientação, também já acertada pelos rivais sociais-democratas do Porto.

Assis garantiu, porém, que só para a semana começa a trabalhar na elaboração das listas. Primeiro, quer concertar estratégias com José Sócrates, que, amanhã, vai ao Porto participar num jantar preparatório do fórum "Novas Fronteiras".

O líder do PS/Porto só adiantou que "vai haver alguma renovação e abertura ao exterior", ou seja, serão incluídos independentes. E garantiu que permanecerão os deputados com nome já consolidado". Poderá ser o caso de Alberto Martins, Augusto Santos Silva, José Magalhães e Carrilho.

O PSD determinou que as concelhias indicarão 12 candidatos, quatro farão parte da quota nacional e outros tantos serão opção pessoal do líder distrital, Marco António Costa.

Os socialistas vão entrar, hoje, em pré-campanha, num jantar-comício que juntará três mil pessoas na antiga FIL (Lisboa), em que será apresentada a frase que vai orientar o discurso do partido até ao fim do ano. Segundo Jorge Coelho, a frase "Vamos voltar a acreditar em Portugal", pretende transmitir "uma mensagem de optimismo" e "evitar a agressividade política no período da quadra natalícia". Estão previstos discursos de José Sócrates e de um independente.

Entre os socialistas, é já certa a inclusão de Ferro Rodrigues na lista pelo círculo de Lisboa. Os sociais-democratas, por sua vez, estabeleceram o dia 4 de Janeiro como a data limite para a aprovação das listas definitivas.