politica

Portas aposta nos estaleiros de Viana

Portas aposta nos estaleiros de Viana

Paulo Portas elegeu a recuperação financeira dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo como o "principal guia de missão" da nova presidente da Empordef, Rosário Ventura, ontem empossada.

"Quero Portugal com uma construção naval a dar postos de trabalho, oportunidades de negócio e uma fonte de prestígio para a nossa bandeira , em qualquer parte do Mundo", afirmou o ministro da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, discursando na cerimónia de posse da gestora da holding estatal da indústria de Defesa.

Perante o chefe de Estado Maior das Forças Armadas e as chefias dos três ramos, Rosário Ventura manifestou a intenção de aprofundar a "integração dos Estaleiros no âmbito das indústrias de Defesa".

Os Estaleiros, onde estão a ser construídos os novos navios patrulhas oceânicos e de combate à poluição da Marinha, de acordo com o misnisto, citado pela Lusa, saíram da situação de falência técnica graças às contrapartidas do contrato de compra de submarinos.

Paulo Portas apontou à nova presidente da Empordef a prioridade de concluir "bem o processo de internacionalização" da OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal, actualmente em curso, que vai passar pela abertura do capital social da empresa de construção e manutenção aeronáutica.

Para o ministro, a recuperação financeira da OGMA está feita e, "no quadro de uma legislatura", a empresa poderá ser "pujante, com sócios pujantes, permanecendo em Portugal um centro de excelência e inovação". Portas não adiantou dados sobre o processo de venda de entre 35 e 65% do capital.

A brasileira Embraer, quarto maior fabricante aeronáutico mundial, já revelou ter entregue uma proposta de compra de parte da OGMA, em parceria com o consórcio europeu EADS. Esta semana, prazo-limite para entrega das propostas, foi também noticiada a existência de uma proposta conjunta da italiana Alenia e da Lockheed Martin, mas o Ministério não confirma.