grande_porto

Havia um tesouro escondido no antigo bairro do Laranjal

Havia um tesouro escondido no antigo bairro do Laranjal

Na moderna Avenida dos Aliados, agora "nas bocas do mundo" por causa da polémica remodelação a que vai ser sujeita, que não leva 100 anos de existência, já nada existe à vista que faça lembrar o antigo Laranjal, o primeiro e mais importante plano urbanístico realizado no Porto, por iniciativa da Junta das Obras Públicas da Cidade criada pelo famoso João de Almada e Melo. A planta do novo bairro foi apresentada ao rei em Fevereiro de 1760 e em 29 de Julho do mesmo ano vinha a resposta "... que logo que receberdes esta carta façais alinhar, abrir e demarcar pelos oficiais de Infantaria com exercício de Engenheiros que achareis mais próprios, a rua que, em continuação da antiga chamada das Hortas, passando na forma do referido plano pelos laranjais e quinta de João Gomes..."

O bairro do Laranjal durou até 1916, ano em que começou a ser demolido para a abertura da futura Avenida. E com o Laranjal, e pelo mesmo motivo, também desapareceram os típicos lavadouros, um local muito abundante em água e onde existiam vários tanques onde ia lavar-se roupa. Havia até a Rua dos Lavadouros que também se chamou de Santo António dos Lavadouros antes da abertura daquela que veio a ostentar o nome do santo taumaturgo e que é hoje a Rua de 31 de Janeiro.

A Rua dos Lavadouros ocupava sensivelmente a actual Rua de Elísio de Melo, atravessava todo o Laranjal e ia até à cerca do convento dos Congregados, que se estendia até onde está a Travessa desta designação. Bom, mas do que eu pretendo ocupar-me hoje é de um caso, aparentemente estranho, mas que, tendo em conta a época que então se vivia, tem alguma verosimilhança.

A história que aqui vou recordar, com nítido sabor de conto de mouras encantadas, foi contada, pela primeira vez, nos anos vinte, pelo dr. Pedro Vitorino, no jornal portuense "A Voz Pública", com aquela boa dose de ironia e de salutar humor com que o articulista costumava condimentar as suas crónicas.

Procedia-se, então, à demolição do bairro do Laranjal e o assunto tinha plena actualidade - apesar de ter ocorrido oitenta anos antes. Foi o seguinte aí por 1840, sete anos depois do Cerco do Porto, numa casa da Rua do Laranjal, que tinha ligação para a Rua de D. Pedro, que lhe corria paralela, apareceu inesperadamente e de uma forma inusitada um autêntico tesouro. A casa não era um edifício qualquer. Habitava-a o cidadão João da Costa Lima, um ferrenho liberal, que, após o malogro da revolta de 1828 (a Belfastada), emigrou para Inglaterra com muitos outros patriotas. Voltaria anos mais tarde ao torrão natal como um dos cinco mil bravos do Mindelo e integrando o batalhão dos Voluntários da Rainha, para se bater ao lado de D. Pedro IV contra as tropas absolutistas de D. Miguel. E no desempenho dessa e de outras missões mostrou-se de tal modo destemido e valente que foi condecorado com a Ordem da Torre-e- Espada e a medalha de D. Pedro e D. Maria.

A ocupação da referida casa só aconteceu depois de terminado o Cerco. Um tio deste Costa Lima, rico negociante de cabedais, pressentindo o aproximar-se do fim da vida, chamou o sobrinho a quem confiou as rédeas do negócio. Não viveu muito tempo mais o velho negociante que habilitou como seu único herdeiro o sobrinho. Não sentindo grande vocação para a vida comercial, João da Costa Lima tratou de passar o negócio dos cabedais e decidiu-se a viver dos rendimentos na casa que fora do tio e que interiormente apresentava uma invulgar decoração com excelentes pinturas murais da autoria dos mais consagrados pintores da época, nomeadamente dos dois Vieiras, o Portuense e o pai, então conhecidos pelos "artistas da Porta do Olival".

Ora foi na casa de Costa Lima que se deu o estranho mas rendoso acontecimento. Num certo dia, ao romper da manhã, ao fugir de um criado que o perseguia, um gato subiu aos móveis, entrou numa espécie de postigo que dava para o forro e aí esbarrou com um objecto que se quebrou e provocou o estranho ruído da queda no soalho de dezenas e dezenas de moedas em ouro. Um verdadeiro tesouro. Pedro Vitorino escreveu que "a colheita foi farta e rendosa".

Naturalmente que o dono da casa acordou com o barulho que as moedas causavam ao cair sobre as tábuas do soalho. Acordou e não voltou para a cama. Foi pesquisar e o que encontrou deixou-o pasmado mas rico. Devidamente acamadas em panelas de ferro escondidas no forro da casa estavam centenas de peças de ouro. Pelo que se veio a saber, na altura, de antigos ocupantes da casa, chegou-se à conclusão de que o tesouro poderia ter sido escondido durante as invasões francesas e, por morte dos inquilinos, ou por qualquer outra razão, ficara para ali esquecido. O achado foi avaliado em dezoito contos em metal sonante. Uma fortuna, para aquele tempo, que João da Costa Lima utilizou para a construção de outros edifícios na Rua de D. Pedro e na Cancela Velha.