porto

Adjunto de Mota alvo de polémica

Adjunto de Mota alvo de polémica

A bancada do PSD/CDS-PP da Assembleia Municipal de Espinho quer que o presidente da Câmara, José Mota, defina as reais funções do seu novo adjunto, José Aleixo.

É que os sociais-democratas e os populares não gostaram de saber, através de um jornal local, que José Aleixo, que acumula o cargo de presidente da Associação Comercial de Espinho, pretende ser na Câmara uma voz activa em prol dos comerciantes.

"Ninguém mais vai ganhar com a minha presença do que os comerciantes, porque têm uma voz activa todos os dias na Câmara Municipal que os defende dia e noite. Alguns empresários já tiveram a oportunidade de confirmar isso", afirmou José Aleixo, no dito jornal.

A afirmação não caiu bem junto dos sociais-democratas e dos populares, que dizem que "a influência, dependendo da forma como é exercida, é um ilícito previsto e punido pela Lei da República Portuguesa".

Vicente Pinto, líder da bancada da coligação "Juntos por Espinho", vai mais longe e questiona se é justo "os espinhenses estarem a pagar o vencimento de uma pessoa que está na Câmara para defender apenas os comerciantes".

"O presidente da Câmara é livre de fazer as escolhas que entender, no entanto deve esclarecer para que funções contratou José Aleixo. Porque se não tiver sido para defender os comerciantes e tão só, este devia vir a público repor a verdade", acrescentou Vicente Pinto.

Abordado pelo JN, José Aleixo escusou-se a tecer comentários, preferindo remeter o assunto para o presidente da Câmara.

Por seu lado, José Mota disse que José Aleixo é seu adjunto, do qual espera, assim como de todo o seu gabinete, que defenda todos os espinhenses, incluindo os comerciantes. NP

Outros Artigos Recomendados