primeiro_plano

Fernando Ruas incita a "correr fiscais à pedrada"

Fernando Ruas incita a "correr fiscais à pedrada"

O presidente da Câmara de Viseu e da Associação Nacional de Municípios Portugueses, Fernando Ruas, desafiou a população do concelho a "correr à pedrada" os funcionários do Ministério do Ambiente que fiscalizam e multam obras feitas pelas juntas de freguesia.

"Arranjem lá um grupo e corram-nos à pedrada", incitou Ruas, anteontem, durante uma reunião da Assembleia Municipal de Viseu.

O desafio do autarca, condenado prontamente pela oposição socialista, foi feito depois do presidente da Junta de Freguesia de Silgueiros, António Coelho (que no princípio do ano foi autuado por vigilantes de natureza e depois condenado em tribunal), se ter queixado dos serviços do Ambiente, por não terem multado uma obra clandestina feita por um particular da freguesia.

"O zelo e a celeridade com que autuaram a junta de freguesia de Silgueiros, parecem não ser agora os mesmos para esta situação descrita", lembrou António Coelho.

"Corram-nos à pedrada, a sério. Arranjem lá um grupo e corram-nos à pedrada. Eu estou a medir muito bem aquilo que digo", reagiu Fernando Ruas.

"Nós queremos gente que vá ajudar as freguesias, não queremos gente que obstaculize o seu desenvolvimento. Esses senhores, que na maioria dos casos aparecem para multar as juntas de freguesia, que tenham a dignidade de primeiro avisar os autarcas locais. É uma questão de respeito por quem foi eleito pelo povo. Isto é perfeitamente inacreditável", sublinhou Ruas, irritado.

"Há-de fazer um inquérito na sua freguesia, sobre quantas pessoas é que conhecem esses vigilantes da natureza e perguntar-lhes o que é que eles fazem para além de andarem a multar as juntas de freguesia", acrescentou o presidente da Câmara de Viseu.

PS condena excessos

O líder da bancada do PS na Assembleia Municipal, António Ribeiro Carvalho, subiu à tribuna e condenou os "excessos" de Ruas.

"Nem a brincar se deve dizer aquilo. Correr à pedrada funcionários do Estado em exercício das suas funções, é uma coisa completamente inusitada. Não subscrevo a afirmação, de modo nenhum", protestou Ribeiro de Carvalho, que pediu maior intervenção ao presidente da Assembleia Municipal. "É ele que deve moderar os excessos do senhor presidente da Câmara", lembrou.

"Eu não entendi as palavras do senhor presidente da Câmara, como querendo dizer atirar pedras às pessoas. Ele estava ali a apelar para a concertação que deve existir entre os serviços do Ambiente e os presidentes de junta de freguesia", esclareceu Almeida Henriques, que não aceitou o recado do líder da bancada socialista.

O JN tentou, durante todo o dia de ontem, falar com Fernando Ruas, mas o autarca não esteve contactável através do seu telemóvel.

Uma fonte do gabinete do ministro do Ambiente contactada pelo Jornal de Notícias, escusou-se a fazer qualquer comentário. "Não comentamos esse tipo de afirmações", disse.

Outros Artigos Recomendados