norte

Arqueólogo morre ao cair de escarpa para o rio Tua

Arqueólogo morre ao cair de escarpa para o rio Tua

Ocorpo de um arqueólgo desaparecido nas águas do Tua foi retirado do rio, ontem de manhã. Os Bombeiros Voluntários de Peso da Régua retiraram o cadáver do rio Tua, perto da localidade de S. Mamede de Ribatua, em Alijó, por volta das 11 horas.

A vítima, Armando Sabrosa, de 42 anos, estava desaparecida desdeanteontem. O arqueólogo, residente em Almada, trabalhava para uma empresa de Cacilhas, que está envolvida na elaboração de um estudo de impacto ambiental para a possível construção de uma barragem no Tua.

Ao que o JN apurou, Armando Sabrosa caiu de uma escarpa. No âmbito da pesquisa, estavam no local três grupos de arqueólogos, compostos por dois elementos cada, que trabalhavam junto ao rio. Armando Sabrosa estava alcandorado e, devido a um ligeiro desequilíbrio, caiu da escarpa.

O acidente ocorreu por volta das 17 horas da tarde de anteontem e vitimou o arqueólogo de 42 anos, que caiu num local de águas profundas. O alerta foi dado por um dos acompanhantes da vítima, que ainda tentou salvar o amigo. Segundo os bombeiros, o colega de Armando ainda tentou retirá-lo das águas, mas apenas conseguiu agarrar a mochila. O acompanhante, de acordo com a mesma fonte, está em estado de choque.

O corpo foi encontrado ontem, na zona de Fragas Más, alguns metros à frente do sítio onde desapareceu. Os Bombeiros Voluntários do Peso da Régua, que participaram nas buscas com uma equipa de mergulhadores, revelaram que o corpo estava "num local muito profundo".

Dada a inacessibilidade do local, a operação de buscas demorou quase duas horas e foi necessário recorrer a um helicóptero do Serviço Nacional de Bombeiros. O corpo foi transportado para a morgue do Instituto de Medicina Legal de Vila Real, onde será autopsiado.

ver mais vídeos