policia_e_tribunais

Homem apanhado com 7,46 gramas de álcool no sangue

Homem apanhado com 7,46 gramas de álcool no sangue

O relatório da delegação do Porto do Instituto de Medicina Legal não deixa dúvidas António Manuel Freitas Nogueira, natural da freguesia de Estorãos, concelho de Fafe, acusou uma taxa de alcoolemia de 7,46 gramas de álcool por litro de sangue três horas após ter estado envolvido num acidente de viação. A mais alta taxa de que há registo em automobilistas portugueses.

Este indivíduo, de 36 anos, não terminou da melhor forma o Domingo de Páscoa (16 de Abril). Cerca das 16 horas quando se dirigia da rua dos Agrelinhos, em Estorãos, para a freguesia vizinha de Ribeiros, na sua motorizada, embateu na traseira de um automóvel que seguia no mesmo sentido.

Ao que o JN apurou, António viajava sem capacete e embateu com violência com a cabeça no chão. Chamados ao local, os Bombeiros Voluntários de Fafe transportaram o indivíduo para o Hospital de S. José, em Fafe, que de imediato o transferiu para o Hospital de S. Marcos, em Braga.

Nesta unidade, onde ficou vários dias em estado de coma, António foi sujeito à recolha de sangue para despiste de álcool e estupefacientes. Esta recolha que acabaria por dar no resultado de 7,46 gramas por litro de sangue foi realizada três horas após o acidente.

António Nogueira conduziu o seu ciclomotor durante cerca de três quilómetros e embateu no carro ligeiro numa zona com bastante visibilidade àquela hora do dia.

Além da imediata inibição de conduzir, António incorre numa pena de prisão que poderá ir até um ano ou uma pena de multa de 120 dias.

Ao que o JN sabe, António Nogueira já teve alta, há cerca de 15 dias, mas daí para cá o seu comportamento tem sido um pouco estranho. Um cidadão que privou com ele depois da alta hospitalar e que preferiu o anonimato garantiu-nos que o acidente o afectou, assegurando que "ele nesta altura não está na posse de todas as suas capacidades".

"Só me admiro como conseguiu manter-se em cima da mota". Esta estranheza foi manifestada pelo médico Novais de Carvalho. Os factores que podem fazer aumentar ou diminuir a taxa de alcoolemia são "o tipo de profissão que tem (as mais pesadas toleram melhor o álcool) e, é claro, a quantidade de álcool que ingere". Sem conhecer este caso em concreto, Novais de Carvalho não tem dúvidas em afirmar que uma situação destas foi causada por uma excessiva ingestão de bebidas de alto teor alcoólico e até mesmo terá havido mistura de muitas delas." Uma taxa de 7,46 g/l sangue interfere com o sistema nervoso central, provoca descoordenação de movimentos, graves perturbações de visão e ainda perturbações alucinatórias.

ver mais vídeos