televisao

Média concentrados"afectam liberdade de imprensa"

Média concentrados"afectam liberdade de imprensa"

A

concentração dos órgãos de comunicação social limita a capacidade dos jornalistas e a sua liberdade de expressão, acentuada ainda pela precariedade reinante na classe que "pode ser vista como a nova forma de censura". A conclusão é de Silvino Évora, que efectuou uma tese de mestrado sobre "Concentração dos média e liberdade de imprensa", defendida recentemente, na Universidade do Minho (UM) e não podia estar mais na ordem do dia.

Hoje o Sindicato dos Jornalistas reúne-se com o ministro Augusto Santos Silva para apresentar o seu parecer sobre o anteprojecto de lei relativo aos limites à concentração dos média. O proposta que está em consulta pública até 30 de Novembro prevê limitar a quota de mercado das empresas de comunicação social a um máximo de 50% por segmento.

O investigador Silvino Évora reconhece que "as direcções das empresas jogam com o jornalista utilizando diversos trunfos, sobretudo os referentes à condição de precariedade e ao excessivo número de licenciados que procura emprego". Silvino Évora vai mesmo mais longe "O jornalista sabendo isto não põe em risco o seu emprego nem ultrapassa o imposto, limitando o seu trabalho e a liberdade de expressão".

O investigador recorda que a grande maioria dos órgãos de comunicação social estão nas mãos de empresas privadas que "para conseguiram determinados objectivos económicos cedem a pressões políticas". Logo quem fica a perder " é a informação como utilidade pública" como prova a realidade actual "Só há informação vendável!".

Silvino Évora dá como exemplo uma conversa tida com Manuela Moura Guedes, subdirectora de Informação da TVI, incluída na sua tese, na qual a jornalista revela que a inclusão "do Big Brother na informação se deu ao facto de ninguém ver a TVI", acrescentando Silvino Évora que a "quatro" é o "exemplo do que é a informação hoje claramente tablóide". Aliás, se se traçar uma linha onde de um lado fica a informação como utilidade pública e do outro a informação espectáculo, "a TVI está claramente nesta última; a RTP aproxima-se mais do interesse público mas ainda tem muitas lacunas e a SIC fica no meio a resvalar mais para a informação espectáculo". Nos jornais, "onde eu acho que a concorrência não é tão forte", 24 horas e Correio da Manhã estão na informação espectáculo -"Exploram e conhecem aquilo que os leitores querem" -, na ponta contrária está o o Público, "que está a passar uma fase complicada porque as pessoas estão mal habituadas ao serviço público e, por isso, o jornal tem dificuldades em se implementar", depois o DN e mais a meio da linha o JN.

PUB

Voltando a questão da liberdade de expressão, o investigador lembra que são quatro as empresas detentoras dos órgãos de comunicação social e que "por isso, exercem pressão sobre as notícias que não interessam às empresas. Há sempre um motivo para que as notícias não saiam sobretudo porque vivem da publicidade e esta tem um papel fundamental na limitação da liberdade dos jornalistas".

Média concentrados"afectam liberdade de imprensa"

Silvino Évora, cabo-verdiano, licenciado pela Universidade de Coimbra com uma pós- -graduação em jornalismo judiciário pela Católica, encontra muitas diferenças entre os jornalistas portugueses e os seus congéneres cabo-verdianos a começar pelo ritmo de trabalho "Aqui são mais dinâmicos, o jornalista vai atrás da notícia enquanto que lá fica sentado à espera que a notícia venha ter com ele". Diz que em Cabo Verde é o Estado que controla a comunicação social criando "um conjunto de más práticas", enquanto que em Portugal "quem controla são as grandes empresas, mas não quer dizer que haja mais

liberdade de imprensa".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG