lusa

África do Sul: Mandela celebra 89 anos com futebol e "chuva" de personalidades

África do Sul: Mandela celebra 89 anos com futebol e "chuva" de personalidades

Joanesburgo, 18 Jul (Lusa) - O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela é homenageado hoje na Cidade do Cabo com uma partida de futebol organizada pela FIFA que juntará estrelas africanas e do resto do mundo por acasião do seu 89/o aniversário.

Ex-presidentes, milionários e artistas do mundo da música e da sétima arte participam igualmente esta semana em iniciativas de homenagem ao herói da luta anti-apartheid.

O velho líder, que se retirou da vida pública em 2004, perdeu a energia que o caracterizava desde a libertação em 1990, não sendo por isso provável a sua presença nas muitas cerimónias que assinalam este aniversário.

Mas, apesar das suas notórias dificuldades motoras, ninguém poupou esforços para fazer do 89º aniversário de Mandela mais um momento memorável, como uma partida de futebol a reunir estrelas do passado e do presente do "desporto-rei", ex-presidentes e outras celebridades a lançarem iniciativas para mudar o mundo para melhor e os cidadãos anónimos a desejar que o aniversariante viva ainda muitos anos e que o seu exemplo nunca se apague da memória colectiva.

Pela segunda vez, a Federação Internacional de Futebol juntou-se à festa, organizando "90 Minutos Para Mandela", uma partida de futebol que colocará frente a frente novas e velhas glórias africanas e uma selecção do resto do mundo.

O ídolo brasileiro Pelé e o internacional dos Camarões Samuel Eto'o são duas das figuras presentes no jogo, uma iniciativa semelhante à que a FIFA organizou em 1999, ano em que o ex-prisioneiro político sul-africano abandonou a Presidência, que tinha ocupado desde as primeiras eleições livres e multirraciais de 1994.

Pedro Mantorras, de Angola, é o único lusófono não-brasileiro, que consta da lista oficial dos participantes nos "90 Minutos Para Mandela", que junta entre outros nomes Abedi Pele do Gana, Fernando Redondo da Argentina, George Weah da Libéria, Emílio Butragueno e Zubizarreta de Espanha, o holandês Ruud Gullit, e Lucas Radebe, Mark Fish e Doctor Khumalo da África do Sul.

Antes do jogo, que se disputará no estádio de Newlands, com transmissão directa para a África do Sul e outros países, uma delegação restrita, chefiada pelo presidente da FIFA, Sepp Blatter, desloca-se a Robben Island, a pequena ilha-prisão onde Mandela esteve encarcerado pelo regime do "apartheid".

Ali, Blatter conferirá filiação honorária na FIFA à associação de futebol criada pelos prisioneiros políticos (designada por Makana) para que pudessem, enquanto detidos, participar nas competições futebolísticas da região.

Com este acto, a Federação pretende, na pessoa de Nelson Mandela, celebrar o futebol como instrumento de diálogo e libertação para aqueles que passam por tempos duros ao serviço de uma causa justa tantas vezes negada por governos e por regimes.

Para nomes como Richard Branson, Kofi Annan, Jimmy Carter e Peter Gabriel, a ocasião servirá para lançar a iniciativa "Conselho dos Idosos", que pretende juntar uma série de personalidades que se destacaram no mundo ao serviço da causa da liberdade e dos direitos humanos numa troca de ideias, regular e construtiva, sobre formas de mudar o mundo para melhor.

A lista de personalidades, a ser anunciada hoje, promete impressionar, mas a Fundação Nelson Mandela manteve em segredo se o homenageado participará ou não em algum dos actos públicos.

Enquanto foi chefe de Estado e mesmo nos anos que se seguiram à reforma política, Mandela teve por hábito juntar milhares de crianças nas suas festas de aniversário e com elas conviver pessoalmente.

Com a deterioração da sua condição física, os aniversários deixaram de contar com a sua presença, mas o simbolismo e as causas que lhe são mais queridas não desapareceram do programa das festividades.

Este ano, em todas as celebrações, a Fundação Nelson Mandela, que detém todos os direitos à sua imagem e nome, levanta alto o logótipo "46664" (antigo número de prisioneiro de Mandela que é hoje o nome da sua campanha contra o HIV/Sida) e outras causas humanitárias pelas quais o aniversariante sempre se bateu.

AP.

Lusa/fim

ver mais vídeos