etcetera

Gosto ímpar da vitela arouquesa

Gosto ímpar da vitela arouquesa

A

lvarenga, bem perto de Arouca, zona rural e de grandes manchas de floresta, é também conhecida pela qualidade dos seus pastos e do gado que deles se alimenta - as vitelas de raça arouquesa -, cuja carne de excelência se serve em toda a grande região de Arouca. Em recente deslocação à região, procurei assento à mesa duma casa de bem comer que já me tinha sido muito recomendada, o restaurante Mota. Fica à entrada de Alvarenga, para quem vem de Arouca, junto a um posto de gasolina, do lado esquerdo. Parque de estacionamento privativo e uma sala enorme, simples, que normalmente ao fim-de-semana enche.

Boa amesendação e serviço muito simpático, com o proprietário a cirandar por ali, sempre bem disposto. Pão e broa muito bons e uma sopa de legumes quentinha e saborosa. A ementa é curta, mas os produtos são de grande qualidade, com grande destaque para a carne arouquesa. Mas podemos optar por um belíssimo bacalhau, posta alta bem demolhada, que pode ser à moda da casa ou simplesmente assado em brasa de carvão, regado de bom azeite, batata cozida e cebola às rodelas, muito bom.

Aparecem febras de porco grelhadas, um óptimo cabrito assado em forno de lenha, bem arranjado, saboroso, tostadinho, para chuchar à mão ou uma opulenta cabidela de frango do autêntico. Mas a rainha é a vitela arouquesa, carne de qualidade irrepreensível, de gado escolhido pessoalmente pelo proprietário. Ao fim-de-semana aparece a vitela assada no forno de lenha, tenra e muito apaladada, na companhia de batata assada e arroz soltinho. E todos os dias os famosos bifes do Zé Mota, que por si só valem a visita a este local de culto, já conhecido um pouco por todo o país. São peças de carne alta, bordejadas de gordura, grelhadas no ponto, só com sal grosso, suculentas, carne tenríssima, saporidas, uma maravilha. Na companhia de óptima batata frita e, à parte, uma salada mista bem temperada. À sobremesa, a gulodice da doçaria conventual de Arouca.