policia_e_tribunais

Administrador da STCP tramou major na "Quinta do Ambrósio"

Administrador da STCP tramou major na "Quinta do Ambrósio"

Um dos administradores da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) denunciou à Polícia Judiciária (PJ) que Valentim Loureiro participou na reunião que fixou o preço final a pagar pela "Quinta do Ambrósio", um terreno que era propriedade de uma família de Gondomar e que iria servir para a construção de uma estação de recolha de autocarros. Esta denúncia contraria a versão do major e de todos os intervenientes no polémico negócio - que sempre negaram a intervenção do autarca - e é fulcral para o Ministério Público decidir avançar, em breve, com uma acusação contra o político e mais pessoas próximas que lucraram três milhões de euros em tempo recorde.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, o referido membro da Administração contou até aos inspectores da PJ que foi Valentim quem fez subir o preço que a STCP iria pagar pela quinta, de 3,750 para quatro milhões de euros.

A sequência formal do negócio é esta a 15 de Março de 2001, a família de Ludovina Silva Prata (dona do terreno) passa uma procuração irrevogável a Laureano Gonçalves (advogado e amigo do major), dando-lhe todos os poderes sobre o imóvel. Isto em troca de 1,072 milhões de euros, parte dos quais pagos em cheque de uma empresa "off-shore", designada "Timmerton".

Seis dias depois, a 21 de Março, é celebrado um contrato-promessa de compra e venda com a STCP. Inicialmente, com a mediação de uma imobiliária, o negócio iria ser feito por 3,750 milhões de euros. Mas, segundo aquele administrador da STCP, o autarca fez com que o lucro dos vendedores aumentasse 250 mil euros.

A escritura pública de venda seria assinada, em 2001, por Laureano, como procurador dos vendedores. Oliveira Marques e Álvaro Costa, em representação da STCP, todos constituídos arguidos. Em Janeiro de 2002, o imóvel já estava registado em nome da empresa de transportes.

Ponto fulcral do negócio está relacionado com a mudança de qualificação do terreno. Aquando da transmissão da propriedade da família para Laureano Gonçalves, José Luís Oliveira e o filho de Valentim (a 15 de Março de 2001), o imóvel estava em terrenos da Reserva Agrícola Nacional (RAN). Mas, antes disso, a sua desafectação já havia sido requerida, em termos formais, pela família Prata. A Comissão Regional da RAN aprovou a desafectação a 12 de Outubro de 2001, possibilitando a construção.

Lugar de vice em risco

Só que a passagem para terreno de construção estava relacionada com a aprovação, pela Câmara, do Plano de Urbanização de Fânzeres. O executivo liderado por Valentim Loureiro votou-o favoravelmente seis dias depois, a 18 de Outubro de 2001, remetendo-o para a Assembleia Municipal, que a aprovou 13 dias volvidos. Esta votação poderá trazer problemas, pelo menos a José Luís Oliveira, já que o vice da autarquia terá votado um projecto em teria interesses particulares - o que pode levar à perda de mandato.

Já depois da operação Apito Dourado, em Dezembro de 2004, Laureano Gonçalves denunciou às Finanças a participação de Oliveira no negócio. Foi quando decidiu pagar imposto de mais-valias e, ao mesmo tempo, indicou o vice da autarquia e Jorge Loureiro, filho de Valentim, como outros beneficiários da transacção.

Ao que sabe o JN, entre os arguidos no processo, além de dois administradores da STCP, estão Valentim Loureiro e o filho, Jorge, José Luís Oliveira, o vereador Fernando Paulo, também da Câmara de Gondomar, uma funcionária do pelouro da habitação e os advogados Laureano Gonçalves e António Araújo Ramos. Em causa estão suspeitas da prática dos crimes de participação económica em negócio, prevaricação, abuso de poder, branqueamento de capitais e, eventualmente, burla.

ver mais vídeos