televisao

Toxicodependência é um dos temas abordados em "A outra"

Toxicodependência é um dos temas abordados em "A outra"

A TVI estreia esta noite a sua nova produção em parceria com a NBP "A outra". Uma telenovela da autoria de Tozé Martinho, que tem nos cinco concelhos da Terra Quente Transmontana o palco de parte do enredo. Começa em Moçambique, com uma história de traição e de vingança no "papel principal", sublinhada pela canção de Dulce Pontes com aquele título. O pano sobe a seguir à novela "Fascínios".

Do elenco de caras sobejamente conhecidas fazem parte actores como Nuno Homem de Sá, Margarida Marinho, Dalila Carmo, Alexandra Leite, João Perry, Lídia Franco, Margarida Vila- Nova, Diana Chaves, Carla Andrino, Joaquim Nicolau, Pedro Lima, Rodrigo Menezes, entre outros.

Para além centrar a história na vingança que Teresa Pimenta (Margarida Marinho) - que não é mais do que Beatriz Gama (Alexandra Leite), depois de uma operação plástica - pretende levar a cabo sobre o marido e a amante, "A outra" volta a abordar temas da actualidade.

Entre esses temas aparece a toxicodependência na personagem de "Kiko Gama", a cargo do jovem actor Pedro Carvalho. A perda da mãe, "Beatriz", com quem tinha forte ligação afectiva, e a indiferença do pai, "Rafael Gama" (Nuno Homem de Sá), atiram-no para um estado de depressão que há- -de acabar no consumo de cocaína e numa vida sem rumo.

"É uma personagem brilhante e um grande desafio para a minha carreira", confessou Pedro Carvalho, ao JN. Diz o actor que o mais interessante do papel é que não começa como toxicodependente, mas antes como um rapaz normal, cuja degradação vai evoluindo. Isso obriga-o a assumir e aprimorar comportamentos distintos.

Com a morte de "Beatriz", começa toda a "embrulhada" do "Kiko". O pai envolve-se com "Catarina Alves" (Dalila Carmo), de quem ele não gosta, e essa mágoa mina ainda mais a cabeça de um miúdo de 19 anos.

Começa a tomar antidepressivos, receitados pelo médico, que dão lugar a químicos mais fortes. Estes apenas antecedem a toma de "ecstasy", "LSD" e outros, até ser "apanhado" na teia da cocaína. De rapaz com tudo na vida, transforma-se num "trapo".

Para o papel, Pedro Carvalho teve de aprender a andar de moto, que na novela "Kiko" conduz a grande velocidade sem medir consequências. Como sempre gostou de motos juntou o "útil ao agradável". "Um desafio fantástico", classifica. Embrulhado no seu desespero, a personagem também pratica sem o mínimo de cuidado desportos radicais .

No trabalho de preparação para vestir a pele de um consumidor de drogas, Pedro viu filmes e documentários que abordavam a temática. Pediu também informações à irmã, que é enfermeira, e visitou vários estabelecimentos de recuperação de toxicodependentes.

"Reconheço que depois de dialogar com aquelas pessoas fiquei mais conhecedor do grave problema por que passam", admite o actor. Sublinha que "apesar de saber da sua existência, abordava-o de uma forma mais leviana".

Numa das visitas a instituições de recuperação encontrou um jovem de 27 anos que encaixa perfeitamente no seu papel de "Kiko Gama" "Rapaz com tudo na vida e praticante de muito desporto. De repente, perdeu um familiar e tudo se desmoronou. A depressão e a indiferença do pai acaba em toxicodependência", resume.

Todas as suas pesquisas permitiram-lhe poder encarnar comportamentos, atitudes e tiques que o ajudam a dar mais força ao seu papel. Sobre a sua personagem em "A outra", retira uma mensagem que gostaria de passar à sociedade e, em especial, aos pais "Estar muito atento ao que aflige os filhos, oferecer-lhes apoio nos momentos difíceis e mostrar confiança neles".

Pedro Carvalho considera um grande privilégio ter dado o salto dos "Morangos com açúcar" para uma produção como "A outra". Reconhece que tem tido "sorte" com os personagens que lhe têm dado, embora assuma que também o merece por "ter investido imenso" na sua formação como actor. "Acredito no talento, mas mais ainda nas vantagens de uma boa formação", refere.

Depois de passar como "Ricardo" pela série juvenil da TVI, foi contratado para o Teatro Nacional. Em termos de novelas teve o convite para uma produção de outra estação, mas como "estava tudo em águas de bacalhau" optou por aceitar a chamada da TVI mal ela surgiu. "Esta é a minha casa e nela pretendo continuar". "Ainda por cima é uma novela da noite com um grupo fantástico de actores", conclui.

ver mais vídeos