Artes

Fundação Marques da Silva no Porto inaugura duas novas exposições

JN

Fundação Marques da Silva

Foto Igor Martins/global Imagens

A Fundação Marques da Silva, no Porto, recebe na terça-feira a inauguração das exposições "Contrafactum: matéria, forma e conteúdo" e "Aalto Intemporal - o DNA da Cultura Arquitetónica", ambas patentes ao público até 17 de setembro.

"Aquila", de 1935, uma maquete em gesso do Plano de Urbanização das Termas do Gerês, da autoria de José Porto (Engenheiros Reunidos), dá o mote a "Contrafactum: matéria, forma, conteúdo", uma exposição a inaugurar na terça-feira, pelas 18 horas, no Palacete Lopes Martins, na Rua Latino Coelho.

"Em 'Aquila' temos imagem e representação, a modelação de uma paisagem convertida em objeto onde se fundem várias aproximações de natureza gráfica - plantas, fotografias, desenhos modelados e materializados por um maquetista", lê-se na página da Fundação Marques da Silva.

A exposição revela a peça original em diálogo com a peça recriada num mesmo espaço, enquadrada pela projeção de vídeos documentais que mostram o processo de restauro do modelo, a construção da sua cópia e a preparação do suporte onde a maquete "Aquila" se encontra disposta.

A coordenação da exposição "Contrafactum: matéria, forma, conteúdo", produzida em parceria com a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP), está a cargo de Graciela Machado, que fará uma apresentação do que foi feito e do que está ainda a ser elaborado.

A réplica da maqueta foi executada por Rui Ferro e Alcides Rodrigues. A empresa 20|21 foi responsável pelo restauro da maqueta original, Luís Sobreiro assegurou a produção do vídeo relativo a esta intervenção e Patrícia Almeida é a responsável pelo vídeo que regista as ações realizadas na FBAUP.

No mesmo dia é também inaugurada a exposição "Aalto Intemporal - o DNA da Cultura Arquitetónica", que conta com a curadoria de Tore Tallqvist, colaborador do arquiteto finlandês Alvar Aalto e professor de História da Arquitetura da Universidade de Tampere, na Finlândia.

A exposição, construída a partir de trabalhos de alunos, integra, na sua passagem pelo Porto, um novo módulo com documentação relativa a projetos de arquitetos portugueses influenciados pela obra de Alvar Aalto, como por exemplo Fernando Távora (Convento de Gondomar, de 1961), Raúl Hestnes Ferreira (Casa de Albarraque, de 1961) ou Alcino Soutinho (Pousada de Vila Nova de Cerveira, de 1973).

"A presença da perspetiva da arquitetura portuguesa pretende reforçar o sentido original da exposição abrindo possíveis diálogos", lê-se no sítio da Internet da Fundação Marques da Silva.

Organizada pela Universidade de Tampere, Museu Alvar Aalto Museum e município de Jyväskylä, a exposição foi preparada ao longo da segunda década deste século, com parte dos materiais que agora podem ser vistos, designadamente trabalhos feitos no curso de Introdução à História da Arquitetura da Universidade de Tampere.

No mesmo dia da inauguração das duas exposições, a Fundação Marques da Silva lança, pelas 21:30 horas, o livro "Lá fora é imenso. Aqui dentro é como um útero", de Germana Lopes Sousa, com os convidados Manuel Oliveira e Sérgio Fernandez.

As exposições podem ser visitadas de segunda a sábado, das 14 às 18 horas. No dia da inauguração a entrada é livre.