O Jogo ao Vivo

Cinema

Arábia Saudita luta pela igualdade de direitos das mulheres

Arábia Saudita luta pela igualdade de direitos das mulheres

Num país que esteve 35 anos sem salas de cinema, a primeira edição do Red Sea International Film Festival dá sinais positivos de mudanças sociais

A primeira edição do primeiro festival de cinema que se realiza na Arábia Saudita, o Red Sea International Film Festival, está já em velocidade de cruzeiro, na cidade de Jidá, banhada pelo Mar Vermelho, que separa o imenso país da Península Arábica, berço do islamismo, do continente africano, aqui mesmo ao lado.

O mote para o festival, bem evidente nos cartazes que circundam o seu centro nervoso, no interior da Cidade Velha, património mundial da UNESCO, é "ondas de mudança". Uma promessa aparentemente já em marcha, nomeadamente no que diz
respeito aos direitos da mulher, uma das grandes preocupações, e questões a colocar, por parte de quem chega do ocidente, nomeadamente da Europa ocidental.

Uma conversa com Haifaa Al-Mansour, a primeira mulher saudita a realizar um filme, e de que vimos já este ano em Portugal o seu mais recente trabalho, "A Candidata
Perfeita", sobre uma jovem que, apesar de tudo e de todos estarem contra ela, decide candidatar-se às eleições do seu município, confirmou as primeiras impressões de quem vem com um olhar de fora: apesar de ainda haver muito a fazer, já há vários progressos no que diz respeito à igualdade de direitos das mulheres.

A dicotomia entre o "velho" e o "novo", entre a tradição e a modernidade, joga-se aqui como em qualquer outra parte do mundo, embora com os condicionalismos que se conhecem em estados não laicos como a Arábia Saudita e outros países árabes.

O centro de imprensa e algumas das salas de cinema que servem o festival localizam-se na chamada Cidade Velha, onde estão preservadas as habitações antigas da cidade e onde se encontram alguns centros culturais, velhas manufaturas ainda em funcionamento e livrarias, em contraste com as largas e modernas avenidas, sempre cheias de automóveis, de dia e de noite, numa cidade que parece nunca parar para descansar.

Mas é sobretudo no modo de vestir, sobretudo do sexo feminino, que se sente a diferença entre quem tem mais idade e as novas gerações, sem problemas, pelo menos evidentes, em descobrir o rosto e o cabelo e em ter uma atitude mais moderna.

PUB

Também as nossas colegas ocidentais não têm tido qualquer problema com o seu vestuário e o seu rosto completamente descoberto, nem se sente, por parte dos sauditas, qualquer incómodo em relação a essa situação.

O que se sente de qualquer forma e em todo o lado, no quadro do festival ou fora
dele, é uma enorme gentileza e vontade de resolver os nossos problemas logísticos mais básicos, de quem se vê, de um momento para o outro, numa realidade que não é de todo a nossa.

Estas ondas de mudança que o festival lança, encontram no cinema um sinal positivo. Não só o cinema saudita se apresenta aqui com uma forte pujança, tendo por de trás uma indústria já em construção, como são as realizadoras precisamente quem parece liderar o movimento.

Exemplo disso é o filme "Becoming", em exibição esta quarta-feira à noite, constituído por cinco histórias dirigidas por cinco realizadoras diferentes.

"West Side Story" banido

Esta situação de um cinema emergente é para muitos novidade, num país que, imagine-se, esteve 35 anos sem salas de cinema! Hoje, é a cadeia Vox que instalou já um largo conjunto de salas em vários pontos do país, em multiplexes de estilo ocidental situados em vastos centros comerciais e onde podem ser vistos - depois
de visionados pela censura existente - títulos como os que temos atualmente em
exibição em Portugal, como "Casa Gucci", "Encanto" ou "Residente Evil: Raccoon City".

Escusado, no entanto, será procurar "West Side Story", a nova versão do musical clássico, assinada por Steven Spielberg. O filme foi banido no país, como aliás nos Emiratos Árabes Unidos, enquanto em Omã e no Catar foi a Disney, distribuidora mundial do filme, a não aceitar os cortes sugeridos pela censura local.

Em causa estará sobretudo a personagem transgénero de Anybodys, interpretada pelo ator não-binário Iris Menas. Ainda há muitas ondas de mudança por chegar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG