O Jogo ao Vivo

Israel

Atuação política de Madonna não estava prevista, diz organização da Eurovisão

Atuação política de Madonna não estava prevista, diz organização da Eurovisão

A organização do 64.º Festival Eurovisão da Canção, que aconteceu no sábado à noite, em Israel, admitiu ter sido apanhada de surpresa pela inclusão de bandeiras da Palestina na atuação de Madonna, referindo que o elemento cénico em causa não fez parte dos ensaios.

A cantora norte-americana levou o conflito israelo-palestiniano para o palco da final da Eurovisão no sábado à noite, em Telavive, terminando a atuação com a expressão "Wake Up" (Acordem, em português) projetada em ecrãs. A artista tinha recebido vários apelos para boicotar o concurso, mas acabou por aproveitá-lo para tomar uma posição, terminando a atuação com dois bailarinos com bandeiras de Israel e Palestina nas costas, a caminharem abraçados.

"Na transmissão em direto da grande final do Festival Eurovisão da Canção, dois bailarinos de Madonna mostraram momentaneamente bandeiras de Israel e da Palestina nas costas das suas indumentárias. Este elemento da performance não fez parte dos ensaios, tinha sido verificado pela EBU [sigla em inglês para União Europeia de Radiodifusão] e pela emissora de acolhimento, KAN [estação de televisão pública de Israel]", referiu a organização num comunicado citado por vários órgãos de comunicação social.

Na nota, a organização sublinha recorda que o Festival Eurovisão da Canção "é um evento não-político" e que "Madonna foi avisada disso".

Islândia também se meteu ao barulho

Mas a "rainha da pop" não terá sido a única a quebrar as regras do concurso. De acordo com a organização, a Islândia pode "ser punida", depois de os seus representantes, a banda Hatari, conhecida pela sua oposição declarada à ocupação israelita dos territórios palestinianos, terem empunhado bandeiras da Palestina durante a emissão em direto.

Num outro comunicado, a organização do concurso refere que "as consequências deste ato serão discutidas na próxima reunião do conselho executivo do concurso".