Alemanha

Berlim lança hoje 70.ª edição do festival de cinema

Berlim lança hoje 70.ª edição do festival de cinema

Berlinale não conta este ano com portugueses a correr para o Urso de Ouro

O festival de cinema de Berlim, um dos mais importantes do mundo, arranca hoje à noite com cara lavada, com as quatro centenas de filmes do seu menu escolhidos pelo novo diretor artístico, recrutado a Locarno, o italiano Carlo Chatrian.

Talvez para ganhar mais algum tempo de preparação, o festival começa cerca de duas semanas mais tarde do que é habitual o que, a par de um aquecimento global que não se pode ignorar, faz com que as ruas de Berlim estejam agora banhadas de sol, ao contrário da neve que normalmente esperava os milhares de jornalistas e profissionais de cinema que acorrem todos os anos à capital germânica.

O festival, cuja direção já afirmou ir estar atenta às questões ligadas ao Coronavirus, que limita claramente a presença asiática, sobretudo no Mercado do Filme, tem início hoje à noite, com a exibição de "My Salinger Year", do canadiano Philippe Falardeau, sobre uma estudante universitária que vai trabalhar com os agentes do famoso mas reclusivo escritor J.D. Salinger. Sigourney Weaver, uma das atrizes do filme, é uma das muitas caras conhecidas que vão desfilar a partir de hoje na passadeira vermelha, bastante mais "democrática" que a de Cannes.

Como sempre, o festival debaterá no seu programa alguns dos temas soiais e políticos da atualidade, destacando-se a presença na cidade de Hillary Clinton para apresentar uma série sobre o seu percurso. Escorraçada de Cannes, a Netflix estará em força na Berlinale.

A competir pelo Urso de Ouro, desta vez sem portugueses, estarão entre outros os últimos filmes de autores como Hong Sangsoo, Kelly Reichardt, Rithy Pahn, Philippe Garrel, Tsai Ming-Liang, Sally Potter, Christian Petzold ou Abel Ferrara. Num dos inúmeros filmes brasileiros que preenchem quase todas as seções do festival, "Todos os Mortos", de Caetano Gotardo e Marco Dutra, inclui no elenco a portuguesa Leonor Silveira.

A delegação portuguesa é ainda representada por Joana Ribeiro, uma das Shooting Stars do ano. Catarina Vasconcelos apresenta o documentário "A Metamorfose dos Pássaros" nos Encounters, enquanto o Forum Expanded exibe "Quantum Creole", de Filipa César e "Apiyemiyeki?", de Ana Vaz. A desenhadora de som Joana Niza Braga e os realizadores José Magro e Paulo Carneiro foram também escolhidos para o programa Berlinale Talents.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG