Cultura

Casa da Música em risco de perder dois milhões de euros

Casa da Música em risco de perder dois milhões de euros

A Casa da Música, no Porto, arrisca-se a perder dois milhões de euros. Isto porque, além de ter sido colocado em causa - na reunião de sexta-feira do Conselho de Fundadores, em que esteve presente o secretário de Estado Cultura, Jorge Barreto Xavier - o apoio estatal de oito milhões de euros para 2013, reduzindo-o em um milhão, a instituição poderá não receber a verba em falta relativa ao orçamento deste ano, um milhão de euros. Ao que se sabe, o Estado tenciona estender o eventual corte do próximo ano já a este.

Recorde-se que a reunião do Conselho de Fundadores da Casa da Música foi interrompida sem se chegar a um acordo com o Estado, que pretende cortar 30% da sua contribuição para 2013, em vez dos 20% acordados.

Após o encontro, Nuno Azevedo, administrador-delegado da Fundação Casa da Música, afirmou que a programação para 2013 não está em risco, por crer que é possível chegar a um corte acordado de 20%. "Não só estamos agora anunciar um intervalo neste Conselho de Fundadores para tentar chegar de novo a um acordo que tínhamos, como, tratando-se do Estado, pessoa de bem, lutaremos para que a singularidade que é reconhecida à Casa da Música seja argumento para garantir que o Estado mantenha connosco a sua palavra".

Por seu lado, Valente de Oliveira, presidente do Conselho de Fundadores, disse que "a discussão foi viva" e que acordou-se "prosseguir as conversas com o secretário de Estado" a partir de amanhã, ficando acordada, ainda sem data, nova reunião do Conselho de Fundadores.

O Governo tinha anunciado, no contexto do Orçamento do Estado de 2013, a intenção de cortar genericamente 30% das verbas para fundações. Porém, o anterior secretário de Estado, Francisco José Viegas, terá aceitado que, a exemplo do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, o corte na Casa da Música fosse de 20%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG