O Jogo ao Vivo

Porto

Da Vinci em destaque no Museu Soares dos Reis

Da Vinci em destaque no Museu Soares dos Reis

Exposição sobre o Renascentismo reúne 96 desenhos de mestres italianos e portugueses. Inaugura esta quinta-feira.

O Museu Nacional Soares do Reis, no Porto, inaugura esta quinta-feira, às 18 horas, a exposição "Desenhos de Mestres Europeus com Coleções Portuguesas II: Itália e Portugal". A mostra, com curadoria do historiador de arte inglesa Nicholas Turner, reúne 96 desenhos de mestres italianos e portugueses.

O destaque da exposição é o único exemplar presente em Portugal de Leonardo da Vinci (1452-1519), o desenho "Rapariga lavando os pés a uma criança".

As obras provenientes de coleções nacionais, públicas e privadas, viajam entre o renascimento italiano e a escola portuguesa do século XIX e revelam várias técnicas de pintura em que se realçam a pedra negra, a sanguínea e a tinta acastanhada.

O catálogo tem 240 páginas, e faz "uma revisão e atualização de como estes desenhos são vistos no meio académico tradicional".

A exposição encontra-se dividida em quatro núcleos, "territoriais e cronológicos", que são percetíveis pelos diferentes tons das paredes escolhidas "para complementar a cor dos desenhos", esclareceu António Pontes, diretor do museu. Dois núcleos dedicam-se aos desenhos da época renascentista e outros dois percorrem o século XIX.

Desenhos de Holanda e Sequeira

PUB

A primeira relação entre Portugal e Itália foi fomentada pela marquesa e poetisa Vittoria Colonna (1492 - 1547), mecenas que acolheu o artista Francisco de Holanda (1517- 1585), um dos maiores vultos portugueses que conviveu com Michelangelo (1475 - 1564) e Rafael Sanzio (1483 - 1520). Holanda conseguiu então "copiar os traços" e abriu portas para este cruzamento renascentista entre os países.

A exposição termina com os desenhos de António Domingos Sequeira (1768 - 1837) que integram "estudos realizados no século XIX mas completamente contemporâneos", explica Ana Mântua, diretora interida do museu.

A exposição é composta por "desenhos fragilizados". Por isso, são expostos por um período máximo de três meses, para respeitar os cuidados que exigem e para não existirem desgastes irreversíveis provocados pela luz.

Esta apresentação resulta de uma investigação que revela uma nova visão sobre a interpretação dos desenhos, com inéditos, novas atribuições e datações.

A exposição estará patente até ao dia 31 de dezembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG