mercado

Decretada falência da Valentim de Carvalho-lojas

Decretada falência da Valentim de Carvalho-lojas

A falência ontem decretada da Valentim de Carvalho - lojas marca o fim de um gigante português da venda de discos, que chegou a atingir a centena de estabelecimentos e acabou com cerca de uma dezena e enterrada em dívidas. A Valentim de Carvalho surgiu em 1914, na Rua da Assunção, em Lisboa, vendendo instrumentos musicais, gramofones e pautas de música.

Em 1920, tornou-se a primeira editora discográfica portuguesa. A fadista Maria Alice foi a primeira a gravar discos para a editora. Na década de 1980, a empresa incorporou a editora discográfica internacional EMI, criando a EMI-Valentim de Carvalho.

A marca Valentim de Carvalho estende-se ainda à área do audiovisual.

No que refere à Valentim de Carvalho - lojas, o Tribunal de Comércio de Lisboa decretou a falência da companhia durante uma assembleia geral de credores. A insolvência da Valentim de Carvalho lojas havia sido pedida ao tribunal de Comércio de Lisboa a 22 de Abril passado.

A empresa deve mais de um milhão de euros a credores e foi alvo de 34 acções judiciais por parte de fornecedores nos últimos cinco anos.

Em 2002, o grupo JRP - ex-dono da Oficina do Livro, que actualmente é detida pelo grupo LeYa - adquiriu 60% das lojas Valentim de Carvalho, por três milhões de euros. Na altura, a área da distribuição tinha 22 lojas e já tinha recebido da casa-mãe duas injecções de capital, uma de sete milhões de euros e outra de oito milhões para o pagamento de dívidas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG