Música

Dinis Sousa: fundador da Orquestra XXI nomeado Maestro Principal da Royal Northern Sinfonia

Dinis Sousa: fundador da Orquestra XXI nomeado Maestro Principal da Royal Northern Sinfonia

Regente e pianista do Porto, de 32 anos, estreia-se com concerto a 16 de abril.

Dinis Sousa foi nomeado Maestro Principal da Royal Northern Sinfonia (RNS), uma orquestra com sede no centro cultural Sage Gateshead, em Newcastle, no Reino Unido.

Natural do Porto e com 32 anos, Dinis Sousa estudou Direção de Orquestra na Guildhall School of Music and Drama, em Londres, e fundou a Orquestra XXI, conjunto que reúne músicos portugueses que vivem no estrangeiro, projeto pelo qual foi reconhecido com o título de Cavaleiro da Ordem do Infante D. Henrique em Portugal.

O regente e pianista inha sido nomeado em 2018 maestro assistente do Coro Monteverdi e Orquestras, onde colaborava com o regente britânico John Eliot Gardiner.

No âmbito do trabalho com a orquestra de época Solistas Barrocos Ingleses e a Orchestre Révolutionnaire et Romantique, e com Gardiner, o seu fundador, Dinis Sousa dirigiu, entre outras, a Orquestra Sinfónica de Londres e a Filarmónica de Berlim, e apresentou-se nos BBC Proms, à frente do Coro Monteverdi.

Num vídeo de apresentação publicado no site do Sage Gateshead, Dinis Sousa, que dirigiu a RNS por duas ocasiões em 2020, declara-se honrado e entusiasmado com as novas funções.

O diretor da RNS, Thorben Dittes, disse que "a ligação especial de Dinis com a orquestra no palco foi inconfundível desde a primeira vez que se apresentou com ele".

PUB

"É claramente um talento excecional e estamos muito entusiasmados com o enorme potencial artístico que Dinis, como nosso novo Maestro Principal, vai trazer para o Nordeste", acrescentou.

Com esta nomeação, a instituição afirma pretender chegar a novos públicos, nomeadamente o escolar, não apenas na região nordeste do Reino Unido como a outras latitudes, através de uma aposta reforçada no online.

O concerto que assinala a estreia de Dinis Sousa nas novas funções, e que também marca o regresso da RNS à atividade pública após o silêncio forçado pela pandemia, intitula-se "Dawn and dusk" ("Amanhecer e anoitecer") e está marcado para 16 de abril, às 19.30 horas, numa transmissão online e sem público. Serão tocadas obras de Joseph Haydn (Sinfonia N.º6 "Le matin"), Hector Berlioz ("Les nuits d"été"), Lili Boulanger ("D'un matin de printemps"), e Serguei Prokofiev (Sinfonia Clássica). À RNS juntar-se-á a cantora meio-soprano inglesa Sarah Connolly.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG