Cultura

Ainda à volta das maiúsculas e das minúsculas

Ainda à volta das maiúsculas e das minúsculas

Quanto à utilização da letra maiúscula ou da minúscula nas formas de tratamento ou de cortesia, têm-se verificado algumas discrepâncias na interpretação do texto das Bases do AO.

Na verdade, na alínea f) do ponto 1.º da Base XIX, é referido que a letra inicial maiúscula é usada (e passamos a citar) "nos axiónimos/axiônimos e hagiónimos/hagiônimos (opcionalmente, neste caso, também com maiúscula): senhor doutor, bacharel, cardeal (...) santa Filomena / Santa Filomena".

Ora, pelos exemplos que a seguir à regra são apresentados, interpretamos que a opcionalidade é dada apenas aos nomes dos santos (hagiónimos), sendo que as formas de tratamento devem ser escritas com minúscula.

Existem outras situações em que se pode optar pela maiúscula ou pela minúscula.

Assim, por exemplo, os títulos dos livros, com exceção da letra inicial, podem ser escritos das duas formas - "O Cavaleiro da Dinamarca" ou "O cavaleiro da Dinamarca". Como é óbvio, Dinamarca escreve-se sempre com maiúscula, porque é um nome próprio.

Nos nomes das disciplinas, dos cursos ou dos domínios de saber também se pode optar pela maiúscula ou pela minúscula (Filosofia ou filosofia).

Quando designamos uma rua, um lugar público ou um monumento, podemos fazê-lo com letra maiúscula ou minúscula (Praça/praça da República; Museu/museu Soares dos Reis).

Há quem se escandalize com estas opcionalidades e nós perguntamos: e antes já não era assim? Cada um escrevia como queria sem ter legislação que o permitisse.

* Professora de Português e formadora do acordo ortográfico

jn.acordoortografico@gmail.com

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG