O osso das canções de Old Jerusalem está à vista de todos

O osso das canções de Old Jerusalem está à vista de todos

"Chapels" marca o regresso de Old Jerusalem, sucedendo ao muito elogiado "A Rose is a Rose is a Rose". Um disco descarnado em que a "urgência comunicativa" falou mais alto, confessou o músico ao JN.

A quietude e a harmonia características das canções de Old Jerusalem não migraram para parte incerta, mas o novo disco, "Chapels", assinala uma rutura na obra do músico portuense. Se não no conteúdo, pelo menos na forma, explica: "O disco anterior era muito mais produzido. Este foi marcado pela proximidade temporal entre o tempo de escrita e a gravação".

Imediato e sem adornos, "Chapels" nasceu daquilo que Old Jerusalem designa por "urgência comunicativa", a vontade de partilhar com o ouvinte o resultado da criação. Se a natureza concetual de "A Rose is a Rose is a Rose" passava por uma atenção máxima ao detalhe mínimo, agora Francisco Silva quis enfatizar "a ideia de uma intimidade muito próxima". Mas o verdadeiro motivo do afastamento em relação ao disco anterior terá tido que ver sobretudo com a vontade de testar novos caminhos e fórmulas, para "manter o processo fresco e evitar cair no ramerrame".

A delicadeza destas canções descarnadas não deixará de surpreender até mesmo os seguidores habituais do autor de "The Temple Bell", que reconhece "o momento vulnerável" em que se encontrava na altura da composição. Desengane-se, todavia, quem buscar uma relação imediata entre o que ouve e o resultado da criação, já que o músico defende que "a arte é uma mescla, a sublimação da experiência existencial do artista".

Apesar de o seu sexto álbum estar disponível quer em formato físico quer em suporto digital, Old Jerusalem confessa "a nostalgia" que sente pela forma como os discos eram escutados até à exaustão na sua juventude. "Sofro com essa mudança. O consumo acelerado atual não permite que as pessoas criem convivências com as canções", lamenta, confessando que, ainda hoje, não abdica de "ouvir os discos do princípio ao fim", por muito que tenha caído em desuso. "Sou pouco tecnológico. Já pertenço à velha guarda".